Categoria: Psicologia

Raciocínio Motivado Por que vemos o que queremos ver Pedro Martins Psicoterapeuta

Raciocínio Motivado – Por Que Vemos o Que Queremos Ver?

A Neuropsicologia do Raciocínio Motivado

Uma vez Obi-Wan Kenobi aconselhou Luke Skywalker a não confiar nos seus olhos, porque “os teus olhos podem enganar-te”.

A maioria de nós pode lembrar-se de um exemplo em que os nossos olhos nos enganaram e viram o que eles queriam ver:

Uma pessoa em que estávamos a pensar, ao longe, numa rua movimentada; uma pedra em forma de coração que procurávamos na praia.

Há décadas que este fenómeno – Raciocínio/Percepção Motivado -, é investigado.

De facto, o mundo como o concebemos na nossa consciência não é exactamente uma representação precisa do que ele realmente é.

A nossa percepção é frequentemente tendenciosa, selectiva e maleável.

Os nossos desejos podem afectar o que vemos, condicionando a maneira como processamos as informações visuais.

Num estudo de 1954, quando estudantes de universidades rivais assistiam a um jogo de futebol entre as suas equipas, houve discussão, uma vez que os estudantes disseram ter visto mais faltas cometidas pela equipa adversária.

 

Os nossos desejos e objectivos têm uma influência incontestável nas nossas vidas.

 

Por que somos propensos a ver o que queremos ver?

Pesquisas recentes publicadas na Nature Human Behavior demonstram como as nossas motivações e desejos podem dar origem a dois tipos de viés:

Um viés perceptivo (quando as nossas motivações influenciam de cima para baixo as nossas percepções) e um viés de resposta (quando relatamos ter visto o que queremos ver).

O estudo efectuado por investigadores da universidade de Stanford explora como esses vieses afectam as nossas percepções.

O estudo

Enquanto estavam a fazer uma ressonância magnética, os participantes realizaram uma tarefa de categorização visual.

Foram-lhes apresentadas imagens compostas que mostravam uma mistura de um rosto (masculino / feminino) e uma cena (interna / externa) em diferentes dimensões.

Os participantes tiveram quatro segundos para decidir se a imagem tinha “mais rosto” ou “mais cena”, ganhando dinheiro por cada categoria acertada.

 

Os nossos desejos podem afectar o que vemos.

 

Os pesquisadores, então, manipularam a motivação dos participantes para verem um tipo de imagem em detrimento de outra (por exemplo, um rosto sobre uma cena), informando-os que eles poderiam ganhar (ou perder) dinheiro extra se a próxima imagem que eles vissem fosse de uma categoria específica (uma face).

Os resultados mostraram que os participantes tenderam a demonstrar vieses nos seus julgamentos perceptivos, alinhados com as suas motivações e desejos.

Nomeadamente, eles tendiam a rotular as imagens ambíguas como exibindo a categoria associada à recompensa (face).

Isso ocorreu mesmo quando as suas percepções estavam incorrectas, levando a perdas monetárias.

Assim, o desejo de ver uma certa imagem afectou o julgamento dos participantes, reflectindo um viés perceptivo e de resposta – eles não apenas tendiam a referir o que desejavam ver, mas também eram mais propensos a realmente ver o que queriam ver.

 

Como fazemos julgamentos perceptivos?

Como é que os participantes do estudo decidiram se estavam a olhar para um rosto ou uma cena?

Tudo começa nos olhos. A informação viaja dos olhos para o córtex visual primário no lobo occipital do cérebro.

Uma teoria sugere que a informação é processada em duas vias visuais: a via ventral, que se pensa ser responsável por codificar o que estamos a ver; e a via dorsal, pela percepção das localizações onde ocorre o evento visual.

Na via ventral, existem áreas específicas contendo neurónios que são mais selectivos para a percepção de rostos e neurónios mais especializados em cenas.

Um julgamento perceptivo pode ser feito através da comparação da actividade dos neurónios mais selectivos para a percepção de faces e os neurónios mais selectivos para a percepção de cenas:

A região que mostra mais actividade deve “vencer” e a categoria representada por esses neurónios deve ser seleccionada.

 

A nossa percepção é frequentemente tendenciosa, selectiva e maleável.

 

O que os resultados do presente estudo sugerem é que os neurónios nessas regiões também podem ser influenciados por sistemas de atenção e recompensa.

De facto, os pesquisadores foram capazes de investigar os mecanismos neuronais correspondentes dos dois vieses e explorar como a motivação dos participantes para ver uma categoria (face) sobre a outra (cena) influenciou os seus julgamentos perceptivos.

Como tal, maiores vieses motivacionais estavam ligados a mais actividade neuronal nas áreas visuais ventrais do cérebro, enquanto a actividade no núcleo accumbens – uma região central do sistema de recompensa do cérebro – correlacionava-se com os vieses de resposta dos participantes.

Os nossos desejos e objectivos têm uma influência incontestável nas nossas vidas.

Como a pesquisa demonstra, essas influências afectam não apenas a nossa cognição, emoções e comportamento, mas também – literalmente – como vemos o mundo.

Segundo Yuan Chang Leong, o seu estudo tem duas implicações importantes.

A primeira tem a ver com a nossa representação do mundo. “Na maioria dos casos, gostaríamos de ter uma visão objectiva da realidade para fazer julgamentos precisos com base em evidências objectivas.

Se estivermos cientes de como os desejos pintam a nossa percepção, podemos tomar medidas para corrigir mentalmente o viés ”, refere Leong.

A segunda implicação diz respeito à maneira como nos relacionamos com os outros – em particular aqueles que não compartilham os nossos desejos e crenças:

“Sabendo que os outros podem realmente estar a ver as coisas de maneira diferente de nós, e nenhum de nós está necessariamente mais próximo da realidade objectiva, seriamos mais capazes de simpatizar com a forma como agem e se sentem.”

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

A partir de: Why we see what we want to see – Marianna Pogosyan

Psicologização. Psi quê? Importa-se de repetir? Pedro Martins Psicoterapeuta - Psicoterapia

Psicologização. Psi quê? Importa-se de repetir?

Em virtude do aumento da presença da psicologia e dos psicólogos na vida quotidiana, começou a ouvir-se falar de psicologizar; psicologizante; psicologização.

Em meu entender, esse termo, nos exemplos em que era usado, referia-se a uma atitude passiva e permissiva dos pais/educadores em relação ao comportamento das crianças e dos adolescentes.

“Agora fazem tudo o que querem”; “Psicologia para aqui, psicologia para ali, não sei onde isto vai parar”;

“Agora não se pode tocar nas criancinhas”; “No meu tempo levavam umas palmadas e acabava-se logo com as parvoíces”; “são uns delinquentes, deixam-nos fazer tudo”.

A propósito da psicologização, ocorreu-me uma “conversa” que o Dr. João dos Santos teve com João Sousa Monteiro:

«Uma mãe desejava falar-me e trazia o filho de 8 ou 9 anos. O miúdo queria assistir à conversa.

Era uma família de elevado nível social e cultural, e tinham conversas muito intelectuais com os filhos.

A mãe queria conversar comigo porque tinha um problema qualquer com o miúdo, e o miúdo dizia que também queria assistir à conversa, que não queria ficar de fora.

Eu disse-lhe: “Não não, tu agora esperas aí porque eu preciso falar com a tua mãe, ela tem umas coisas para me dizer que não quer que tu oiças, portanto esperas aí fora”.

E o miúdo disse-me assim: “mas eu posso ouvir tudo, porque eu até sei o que é o superego”.

E eu disse-lhe: “tu não sabes nada o que é o superego, o superego não é nada disso que tu imaginas, é isto que eu te vou mostrar”.

Agarrei-o por um braço e disse-lhe: “se tu não vais já lá para fora, levas dois estalos e então ficas logo a saber o que é o superego».

“Agora fazem tudo o que querem, não se pode tocar nas criancinhas”

É inimaginável que um psicólogo exerça algum tipo de violência sobre um paciente/criança.

Aqui não se trata de violência mas de relocalização no espaço – cada um deve ter o seu lugar.

É bastante tranquilizador para a criança que já tem capacidade de distinguir os espaços, saber qual é o seu e qual é o do outro.

Mas mais importante que isso, é a criança sentir que quando entra em espaços alheios (apesar de muito desejados), existe alguém que lhe põe um limite e a impede de pisar certos terrenos.

Actualmente, as crianças são vistas de forma muito diferente e a psicologia deu o seu contributo ao emprestar uma maior compreensão deste “ser complexo”.

Daí resultaram, como resultam sempre, várias interpretações e respectivas aplicações. A psicologização parece ser uma delas.

João dos Santos – Breve história ilustrada

João dos Santos foi o criador da moderna Saúde Mental Infantil em Portugal e o grande impulsionador da viragem da Psiquiatria Infantil que de uma especialidade enraizada na Psiquiatria de adultos passou a uma especialidade autónoma.

Foi um dos primeiros psicanalistas portugueses e um dos fundadores da Sociedade Portuguesa de Psicanálise.

Desenvolveu um olhar novo sobre o valor da arte no desenvolvimento da criança e sobre a educação na família, na escola e na comunidade, criando concepções e ensinamentos originais e modos inovadores de formação de pais e professores.

O seu percurso académico e a sua sólida formação em Psiquiatria e Psicanálise permitiram-lhe proceder a rigorosas pesquisas sobre a criança. João dos Santos criou uma obra escrita inovadora concretizada numa obra institucional em prol da protecção materno-infantil e da prevenção e intervenção em Saúde Mental Infantil. Obra que ainda hoje ajuda a compreender as causas mais profundas do sofrimento psíquico e das patologias da criança, do adolescente e do jovem.

João dos Santos começou por ser professor de Educação Física, licenciou-se depois em Medicina, tendo logo orientado o seu interesse e formação para a Psiquiatria. Trabalhou com Vítor Fontes no Instituto António Aurélio da Costa Ferreira e com Barahona Fernandes no Hospital Júlio de Matos onde foi um dinamizador incansável da modernização das clínicas infantis.

Partiu para Paris em 1946 onde sob a orientação de Henri Wallon foi investigador no Centro de Pesquisas Científicas de França (C.N.R.S.) no Laboratório de Biopsicologia da Criança. Trabalhou com G. Heuyer, J. Ajuriaguerra, H. Ey, A. Thomas. Trabalhou também no Serviço de G. Heuyer, primeiro professor de Neuropsiquiatria de França, no Hospital “Enfants Malades” e no Centro Alfred Binet, dirigido por Serge Lebovici. Aqui, entre outros, trabalhava também René Diatkine que seguia como Lebovici as novas correntes psicodinâmicas e se tornaram psicanalistas. Lebovici foi o pioneiro da Psicanálise infantil em França.

João dos Santos criou, com colaboradores, a secção de Higiene Mental do Centro de Assistência Materno-infantil Sofia Abecassis, o Colégio Eduardo Claparède, os dois primeiros Centros Psicopedagógicos portugueses, um na Voz do Operário outro no Colégio Moderno, o Centro Infantil Helen Keller, a Liga Portuguesa de Deficientes Motores, a Associação Portuguesa de Surdos, a Liga Portuguesa contra a Epilepsia. Colaborou na criação do Centro de Saúde Mental Infantil de Lisboa de que foi o seu primeiro director. Aí existiram desde o início, equipas de serviço ambulatório no Dispensário Central e no Dispensário do Hospital Dona Estefânia, além da equipa das clínicas infantis do Hospital Júlio de Matos. Mais tarde foram criados outros serviços como o Laboratório de Electroencefalografia, Laboratório de Bioquímica, a Escola dos Cedros – serviço de adolescentes, a Casa da Praia – Externato de Pedagogia Experimental e a Unidade de Primeira Infância (UPI).

João dos Santos foi o inspirador da criação do Instituto de Apoio à Criança (IAC).

Foi Professor na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação e na Escola Nacional de Saúde Pública.

Em 1984 foi agraciado pelo Presidente da República, General António Ramalho Eanes, com o grau de Comendador da Ordem de Benemerência.

Em 1985, a Faculdade de Motricidade Humana atribuiu a João dos Santos o título de Doutor Honoris Causa.

 

Paula Santos Lobo e Luís Grijó dos Santos

 

Documentário de 1985, numa cópia digitalizada em muito mau estado

 

Três formas das mulheres heterossexuais escolherem os homens errados. Pedro Martins Psicólogo Clínico

Três formas das mulheres heterossexuais escolherem os homens errados

Se você está à procura de um relacionamento de longo prazo, esteja ciente dos seus instintos. Muitas mulheres heterossexuais …

Raciocínio Motivado Por que vemos o que queremos ver Pedro Martins Psicoterapeuta

Raciocínio Motivado – Por Que Vemos o Que Queremos Ver?

A Neuropsicologia do Raciocínio Motivado Uma vez Obi-Wan Kenobi aconselhou Luke Skywalker a não confiar nos seus olhos, …

Casamento - Casei-com-a-pessoa-errada.-Pedro-Martins-Psicoterapeuta

Casamento: Casei Com a Pessoa Errada?

“Não há nada de errado em se ter casado com a pessoa errada” – Alain de Botton Alain de Botton analisa …