Blog

Psicoterapia

Raciocínio Motivado Por que vemos o que queremos ver Pedro Martins Psicoterapeuta

Raciocínio Motivado – Por Que Vemos o Que Queremos Ver?

A Neuropsicologia do Raciocínio Motivado

Uma vez Obi-Wan Kenobi aconselhou Luke Skywalker a não confiar nos seus olhos, porque “os teus olhos podem enganar-te”.

A maioria de nós pode lembrar-se de um exemplo em que os nossos olhos nos enganaram e viram o que eles queriam ver:

Uma pessoa em que estávamos a pensar, ao longe, numa rua movimentada; uma pedra em forma de coração que procurávamos na praia.

Há décadas que este fenómeno – Raciocínio/Percepção Motivado -, é investigado.

De facto, o mundo como o concebemos na nossa consciência não é exactamente uma representação precisa do que ele realmente é.

A nossa percepção é frequentemente tendenciosa, selectiva e maleável.

Os nossos desejos podem afectar o que vemos, condicionando a maneira como processamos as informações visuais.

Num estudo de 1954, quando estudantes de universidades rivais assistiam a um jogo de futebol entre as suas equipas, houve discussão, uma vez que os estudantes disseram ter visto mais faltas cometidas pela equipa adversária.

 

Os nossos desejos e objectivos têm uma influência incontestável nas nossas vidas.

 

Por que somos propensos a ver o que queremos ver?

Pesquisas recentes publicadas na Nature Human Behavior demonstram como as nossas motivações e desejos podem dar origem a dois tipos de viés:

Um viés perceptivo (quando as nossas motivações influenciam de cima para baixo as nossas percepções) e um viés de resposta (quando relatamos ter visto o que queremos ver).

O estudo efectuado por investigadores da universidade de Stanford explora como esses vieses afectam as nossas percepções.

O estudo

Enquanto estavam a fazer uma ressonância magnética, os participantes realizaram uma tarefa de categorização visual.

Foram-lhes apresentadas imagens compostas que mostravam uma mistura de um rosto (masculino / feminino) e uma cena (interna / externa) em diferentes dimensões.

Os participantes tiveram quatro segundos para decidir se a imagem tinha “mais rosto” ou “mais cena”, ganhando dinheiro por cada categoria acertada.

 

Os nossos desejos podem afectar o que vemos.

 

Os pesquisadores, então, manipularam a motivação dos participantes para verem um tipo de imagem em detrimento de outra (por exemplo, um rosto sobre uma cena), informando-os que eles poderiam ganhar (ou perder) dinheiro extra se a próxima imagem que eles vissem fosse de uma categoria específica (uma face).

Os resultados mostraram que os participantes tenderam a demonstrar vieses nos seus julgamentos perceptivos, alinhados com as suas motivações e desejos.

Nomeadamente, eles tendiam a rotular as imagens ambíguas como exibindo a categoria associada à recompensa (face).

Isso ocorreu mesmo quando as suas percepções estavam incorrectas, levando a perdas monetárias.

Assim, o desejo de ver uma certa imagem afectou o julgamento dos participantes, reflectindo um viés perceptivo e de resposta – eles não apenas tendiam a referir o que desejavam ver, mas também eram mais propensos a realmente ver o que queriam ver.

 

Como fazemos julgamentos perceptivos?

Como é que os participantes do estudo decidiram se estavam a olhar para um rosto ou uma cena?

Tudo começa nos olhos. A informação viaja dos olhos para o córtex visual primário no lobo occipital do cérebro.

Uma teoria sugere que a informação é processada em duas vias visuais: a via ventral, que se pensa ser responsável por codificar o que estamos a ver; e a via dorsal, pela percepção das localizações onde ocorre o evento visual.

Na via ventral, existem áreas específicas contendo neurónios que são mais selectivos para a percepção de rostos e neurónios mais especializados em cenas.

Um julgamento perceptivo pode ser feito através da comparação da actividade dos neurónios mais selectivos para a percepção de faces e os neurónios mais selectivos para a percepção de cenas:

A região que mostra mais actividade deve “vencer” e a categoria representada por esses neurónios deve ser seleccionada.

 

A nossa percepção é frequentemente tendenciosa, selectiva e maleável.

 

O que os resultados do presente estudo sugerem é que os neurónios nessas regiões também podem ser influenciados por sistemas de atenção e recompensa.

De facto, os pesquisadores foram capazes de investigar os mecanismos neuronais correspondentes dos dois vieses e explorar como a motivação dos participantes para ver uma categoria (face) sobre a outra (cena) influenciou os seus julgamentos perceptivos.

Como tal, maiores vieses motivacionais estavam ligados a mais actividade neuronal nas áreas visuais ventrais do cérebro, enquanto a actividade no núcleo accumbens – uma região central do sistema de recompensa do cérebro – correlacionava-se com os vieses de resposta dos participantes.

Os nossos desejos e objectivos têm uma influência incontestável nas nossas vidas.

Como a pesquisa demonstra, essas influências afectam não apenas a nossa cognição, emoções e comportamento, mas também – literalmente – como vemos o mundo.

Segundo Yuan Chang Leong, o seu estudo tem duas implicações importantes.

A primeira tem a ver com a nossa representação do mundo. “Na maioria dos casos, gostaríamos de ter uma visão objectiva da realidade para fazer julgamentos precisos com base em evidências objectivas.

Se estivermos cientes de como os desejos pintam a nossa percepção, podemos tomar medidas para corrigir mentalmente o viés ”, refere Leong.

A segunda implicação diz respeito à maneira como nos relacionamos com os outros – em particular aqueles que não compartilham os nossos desejos e crenças:

“Sabendo que os outros podem realmente estar a ver as coisas de maneira diferente de nós, e nenhum de nós está necessariamente mais próximo da realidade objectiva, seriamos mais capazes de simpatizar com a forma como agem e se sentem.”

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

A partir de: Why we see what we want to see – Marianna Pogosyan

Três formas das mulheres heterossexuais escolherem os homens errados. Pedro Martins Psicólogo Clínico

Três formas das mulheres heterossexuais escolherem os homens errados

Se você está à procura de um relacionamento de longo prazo, esteja ciente dos seus instintos. Muitas mulheres heterossexuais …

Raciocínio Motivado Por que vemos o que queremos ver Pedro Martins Psicoterapeuta

Raciocínio Motivado – Por Que Vemos o Que Queremos Ver?

A Neuropsicologia do Raciocínio Motivado Uma vez Obi-Wan Kenobi aconselhou Luke Skywalker a não confiar nos seus olhos, …

Casamento - Casei-com-a-pessoa-errada.-Pedro-Martins-Psicoterapeuta

Casamento: Casei Com a Pessoa Errada?

“Não há nada de errado em se ter casado com a pessoa errada” – Alain de Botton Alain de Botton analisa …