Mês: Janeiro 2019

Compreender a Ansiedade (parte III) - O Papel da Psicoterapia - Pedro Martins Psicoterapeuta

Compreender a Ansiedade (parte III)

Compreender a Ansiedade – O Papel da Psicoterapia

A psicoterapia pode ser uma forma de descobrir respostas para as questões complexas a que a ansiedade remete.

A psicoterapia é uma ajuda preciosa na medida em que faz aumentar a autoconsciência da pessoa.

Todos temos pontos cegos no que diz respeito aos nossos próprios pensamentos, sentimentos e motivações.

Fazer psicoterapia com um clínico qualificado pode ser um pouco como ver-se ao espelho.

Se você ficar muito perto do espelho, só verá uma pequena parte de si mesmo reflectida.

A terapia é como dar um passo para trás em relação ao espelho – você continua a ver o que via antes, mas agora consegue ver muito mais de si mesmo.

Isso significa que pode compreender coisas novas – coisas de que gosta e de que não gosta. Embora isso possa ser complicado, também pode ser muito valioso.

Afinal, se o seu carro não está a funcionar bem, mas você recusa-se a abrir o capô e olhar lá para dentro, provavelmente, não conseguirá resolver o problema.

A psicoterapia faz aumentar a autoconsciência da pessoa.

Da mesma forma, é muito difícil descobrir como lidar com uma dor emocional se nos recusarmos a olhar para dentro da nossa própria mente.

Então, como a psicoterapia pode ajudar a lidar com a ansiedade?

O processo terapêutico pode ser uma ajuda preciosa para descobrir o que significam os sentimentos de ansiedade.

– É, eventualmente, uma resposta ansiosa a uma situação stressante? (ansiedade funcional/situacional)

– É uma angústia existencial que resulta de um desfasamento entre aquilo que você possui, e o que precisa e deseja? (ansiedade existencial)

– É uma ansiedade disfuncional, inútil, que subestima as suas capacidades e amplia a sensação de perigo? (ansiedade disfuncional)

Em muitos casos, é uma mistura de várias ansiedades.

É importante descobrir o que está acontecer porque diferentes tipos de ansiedade necessitam de respostas distintas.

Muitas vezes as pessoas notam um desconforto mental, mas não estão cientes do que é a ansiedade. Através do processo psicoterapêutico, isso pode ficar claro.

Se a ansiedade é sobre um problema iminente que pode ser resolvido, então, procurar o apoio dos outros e empregar os seus recursos para resolver o problema, pode ser suficiente para diminuir a ansiedade.

Por exemplo, se uma pessoa achar que não está preparada para apresentar um trabalho, provavelmente, vai sentir-se ansiosa.

Cada tipo de ansiedade necessita de uma respostas distinta.

Preparar melhor a apresentação, treinar com um amigo ou colega e responder às perguntas prováveis, pode ser o suficiente para que a ansiedade desapareça.

Mas se o problema for evitado, a ansiedade vai aumentar.

Através da abordagem de várias questões na psicoterapia, podemos chegar à conclusão de que certos pensamentos desconfortáveis e sentimentos de ansiedade ou pânico vêm do “Departamento de Ansiedade Existencial”.

Ao compartilharmos os nossos medos humanos comuns – medo de morrer, de estar a viver uma vida desprovida de significado, medo de não deixar uma marca, um legado – sentimo-nos mais fortes e capazes de tolerar a ansiedade existencial quando ela surge.

Se estamos sozinhos perante os nossos medos humanos básicos, eles tornam-se mais pesados ​​e penosos.

Se compartilharmos os nossos medos somos capazes de tolerar a ansiedade existencial.

Compartilhá-los com uma pessoa que seja solidária e compreensiva pode ajudar a desenvolver um espaço comum de entendimento e um sentimento de pertença.

Essa pessoa pode ser um psicoterapeuta, mas também pode ser um amigo, membro da família ou parceiro íntimo.

Vamos voltar ao nosso exemplo hipotético do “João”, um advogado que começou a duvidar se realmente tinha feito uma boa escolha, ou se devia procurar outras coisas que o realizassem.

Se houver um amigo próximo em quem o João confie e possa conversar sobre as suas dúvidas, preocupações, sentimentos de mal-estar e ansiedade, talvez se sinta mais determinado para explorar outras opções; a dar um passo corajoso em direcção ao assustador desconhecido – e, perceber o que é realmente importante para ele, independentemente do que as outras pessoas (pais) queiram que ele seja ou faça.

O apoio do amigo pode ajudar o João a aventurar-se na descoberta daquilo de que realmente gosta.

Estas conversas, quer ocorram em psicoterapia ou numa outra relação de confiança, podem ajudar as pessoas a aprofundar os seus desejos e necessidades, e a ver a vida com outros olhos.

E se a pessoa ao tentar entender a ansiedade, descobrir por meio da psicoterapia (ou não), que está a lidar com uma ansiedade disfuncional?

Vamos dar outro exemplo hipotético. Vamos chamar “Filipa” à pessoa deste exemplo.

Imagine que a Filipa sente uma ansiedade muito grande sempre que conhece novas pessoas.

Tanto que, apesar de querer fazer novas amizades, ela recusa-se a ir a festas e a eventos quando é convidada.

Uma vez que fica extremamente ansiosa quando é apresentada a novas pessoas, ela não se aventura para além dos vários conhecidos/amigos que tem, mas ao mesmo tempo sente-se sozinha e sem amigos íntimos.

Imaginemos que na psicoterapia a Filipa fica mais consciente de que, quando conhece novas pessoas, bloqueia com o receio que os outros achem que é entediante e a rejeitem.

Se ela analisar mais profundamente essa expectativa, poderá encontrar outra coisa – a crença de que não é agradável e que é uma pessoa desinteressante.

A ansiedade social está associada à forma como nos vemos.

Por vezes, crenças como esta são fardos pesados que carregamos sem sabermos – talvez tenham estado ali desde sempre, de modo que são tão familiares que nem os estranhamos, ou, talvez, estejam submersos nas distracções da vida quotidiana.

A ansiedade social da Filipa está associada à forma como se vê.

A psicoterapia pode ajudar a compreender porque o espelho lhe devolve uma imagem distorcida de si mesma.

Isso implica desafiar certas crenças negativas sobre ela própria e explorar a origem dessas crenças.

Dessa forma, a Filipa será capaz de reconhecer e a apreciar as suas qualidades, e, nesse sentido, dar pequenos passos para se ligar aos outros.

Adaptado por Pedro Martins a partir de: “Understand Anxiety” – Alina Sotskova

As famílias dos pacientes Borderline - Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

As Famílias dos Pacientes Borderline

Nas famílias dos pacientes borderline  temos um dos pontos-chave da etiopatogenia: a insuficiência narcísica dos pais e a sua própria personalidade limite ou próxima.

A necessidade que alguns pais têm de que os filhos preencham as suas lacunas narcíseas, é um dos aspectos mais importantes para o desenvolvimento dos estados limite.

O amor que dedicam ao filho depende de uma condição: que o filho os complete, lhes dê o brilho que eles não têm ou julgam não ter.

O amor que os pais dedicam não é incondicional, mas condicionado.

O filho é, então, uma espécie de prótese, instrumento ou adorno de um ou de ambos os pais. Só é valorizado enquanto tal, quando e como desempenha essa função.

Função tão essencial para o pai, que o filho será maciçamente desprezado e desinvestido se não a executar.

Vemos, portanto, um amor condicionado, não incondicional (é neste sentido que se emprega o conceito de “amor incondicional”; não, como é óbvio, na acepção de um amor exagerado, sem limites – que seria abafante e impeditivo de um desenvolvimento autónomo e diferenciado.

Trata-se de um vínculo de indiferença mais do que propriamente de hostilidade, que empobrece significativamente a interacção e a vida mental.

As pessoas vivem em conjunto mas sem intimidade afectiva; estão próximas, mas pouco comunicantes; dependentes, mas sem densidade de relação. Têm uma necessidade amorosa que jamais satisfazem.

As mães narcísicas e simbiotizantes tratam os filhos como objectos.

A mãe ou pai narcisista apresenta ainda outro aspecto patológico: o seu amor é captativo – na intenção de receber – e não de um amor oblativo como é próprio dos pais mentalmente saudáveis, e, desde logo, promotores de um desenvolvimento normal.

Cria-se então um laço filho-mãe/pai invertido: é o próprio filho que desempenha a função parental.

Se não cumpre este mandato será eternamente acusado de mau filho, sem amor pelos pais, abandonante, filho ingrato.

Em resumo a etiologia da patologia borderline:

– Personalidade borderline dos pais

– Modos anómalos de comunicação intra-familiar (informação paradoxal, abuso da mentira, manipulação).

– Encorajamento e recompensa dos comportamentos de obediência, de pendência, apego/desencorajamento e punição dos comportamentos de espontaneidade, autonomia e desapego.

– Incompetência e incoerência maternas – respostas inadequadas e ditadas, não pelas necessidades da criança, mas pelas variações de humor da mãe.

– Mães narcísicas e simbiotizantes que tratam os filhos como objectos transitivos, não considerando as suas (deles filhos) próprias necessidades – que, portanto não satisfazem – e controlando-os e utilizando-os para e a seu bel-prazer.

– Falência do pai: ausência de um pai que não só preencha as falhas como corrija os erros maternos e ajude na desidealização da mãe.

Assim, podemos considerar duas ordens de factores causais preponderantes:

a) Pais intrusivos, abafantes, controladores, agressivos, e traumatizantes. Famílias fechadas.

b) Pais distantes, abandonantes, negligentes e rejeitantes. Famílias desunidas.

Bibliografia: “O Desespero” – A. Coimbra de Matos

Personalidade Depressiva e Depressão - Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico. Foto Enzo Penna

Personalidade Depressiva e Depressão

O estudo dos estados depressivos mostra-nos que devemos distinguir entre a personalidade depressiva e a depressão propriamente dita.

A personalidade depressiva é caracterizada pela deficiente organização do investimento narcísico – a baixa auto-estima é o seu pano de fundo.

O indivíduo é dominado por um sentimento mais ou menos permanente de frustração, de não realização dos seus planos e projectos.

Podemos olhar para o depressivo como uma espécie de frustrado, em grande parte, em função do seu desejo omnipotente, de uma enorme ambição.

A baixa auto-estima é o pano de fundo da personalidade depressiva.

Mas também em face das decepções sofridas no passado.

Portanto, na depressividade há uma situação de frustração, de falta do desejado; e não bem uma situação de perda.

Mais do que uma situação de perda, é o reconhecimento da impossibilidade de concretização de um desejo e de uma fantasia.

O reconhecimento da limitação imposta pela realidade; mas mal aceite, não elaborado, não “digerido”. Desta forma, uma constante insatisfação marcam o seu humor e o seu destino.

Na depressão propriamente dita, há uma perda.

É evidente que este desejo e fantasia não surgem (como aliás nada) por geração espontânea. Resultam do hiperinvestimento de pais narcísicos, insatisfeitos e frustrados, que investem compensatoriamente nos filhos.

Na depressão propriamente dita, há uma perda. Essa perda é ao mesmo tempo narcísica e acompanhada por sentimentos de culpa. (ver: “Depressão: As Causas e a Cura“)

O núcleo do sofrimento depressivo é o sentimento de falta de afecto, de carência afectiva – essa dolorosa brecha com raízes num passado longínquo.

Como acreditar no amor, se a experiência primeira, a do que é consagrado e sentido como o berço do amor, foi de não-amor, de pouco ou de amor insuficiente?

É uma vida triste. E é-o porque foi; o ferrete do passado marca o destino do presente.

É esse sentimento profundo de que a vida foi e é pobre de afecto, em que no balanço entre a tristeza e a alegria o volume da primeira se mostra sempre maior.

Bibliografia: “A Depressão” – Coimbra de Matos

Compreender a Ansiedade Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico.

Compreender a Ansiedade (parte II)

ANSIEDADE EXISTENCIAL

E se a ansiedade não estiver ligada a nenhuma situação recente, mudança ou evento stressante?

E se de alguma forma a ansiedade surgir do nada? Na verdade, às vezes, a ansiedade pode surgir inesperadamente quando certas situações nos levam a reflectir sobre “o estado” da nossa vida.

Inevitavelmente, todas as pessoas terão que considerar a sua morte. É mais provável que isso aconteça após uma situação em que alguém se viu confrontado com a morte; aquando da perda de um ente querido ou, simplesmente, de olhar para o futuro.

No entanto, a ansiedade existencial também pode surgir em circunstâncias agradáveis.

Por vezes, o nervosismo pode surgir com a tomada de consciência de que nenhum momento dura para sempre, e até o momento mais feliz acabará.

Como seres humanos, apreciamos tanto esses momentos que “deixá-los ir” pode gerar ansiedade.

A ansiedade existencial também pode surgir em circunstâncias agradáveis.

Mesmo que não estejamos a reflectir sobre questões de vida/morte, a ansiedade existencial pode surgir quando pensamos sobre os nossos objectivos, valores, ou planeamos o futuro.

Queremos que as coisas que fazemos e desejamos na vida tenham um propósito e um significado.

Quando os empregos, hobbies, relacionamentos ou objectivos pessoais começam a perder o propósito, a angústia e o mal-estar podem aparecer.

Pode parecer estranho, mas além das coisas desagradáveis que ansiedade existencial nos faz sentir, também está a enviar-nos uma mensagem importante.

Imaginemos que o João seguiu o desejo do pai de que ele também fosse advogado.

O João não questionou essa decisão nem pensou se esse objectivo estava de acordo com os seus desejos e valores. Apenas o seguiu diligentemente, convencido de que era isso que queria.

No entanto, após vários anos a exercer, sente-se cada vez mais nervoso, preocupado com coisas insignificantes e incapaz de dormir à noite, não encontrando nenhuma razão concreta para as insónias.

O trabalho é pouco gratificante. Ele esperava que ao atingir o objectivo (ser advogado) se sentiria completo, mas sente-se mais vazio do que nunca.

Neste caso, os sentimentos de ansiedade existencial, embora dolorosos, podem ser uma ajuda, encaminhando-o na direcção da auto-reflexão:

Quais são os meus objectivos? Ser advogado encaixa naquilo que desejo? É verdadeiramente significativo para mim? Que acções ou papéis marcantes estão a faltar na minha vida?

A ansiedade existencial pode ser comparada a um simpático bichinho que vive na nossa consciência.

Às vezes é esse bichinho que (no pior momento possível!) nos vem lembrar que a vida pode ser mais do que um conjunto de tarefas rotineiras e mundanas, e que uma vida com propósito e com objectivos é muito importante.

Essencialmente, a ansiedade existencial:

Pode, ou não, ser desencadeada por uma situação ou por um evento stressante. É um sentimento que surge, para a maioria das pessoas, de vez em quando.

Não há necessariamente um problema óbvio ligado à ansiedade existencial. No entanto, isso pode ajudar-nos a reflectir sobre questões importantes:

Porque faço isto? Porque o meu trabalho é importante para mim? O que é verdadeiramente significativo para mim? O que eu valorizo? Que pessoa quero ser nos relacionamentos? Etc.

Compartilhar a ansiedade existencial com os outros pode fazer com que nos sintamos menos sozinhos e mais capacitados para fazer escolhas de acordo com as nossas convicções.

No entanto, a vida trará sempre novas questões sobre as quais reflectir.

Criar conexões significativas e fazer escolhas consistentes com os nossos valores, são algumas das coisas que podem ajudar a combater a ansiedade existencial.

Agora que falámos um pouco sobre exemplos em que a ansiedade pode ser desconfortável, mas ao mesmo tempo útil, vamos falar sobre o que acontece quando a ansiedade se torna tão intensa que começa a atrapalhar mais do que a ajudar.

Neste caso podemos designá-la de ANSIEDADE DISFUNCIONAL

Em última instância até a ansiedade disfuncional tem alguma utilidade. No entanto, é preciso considerar os custos/benefícios.

A ansiedade disfuncional pode impedir-nos de atingir os nossos objectivos com mais frequência do que nos ajuda a alcançá-los.

É como se fosse um alarme de incêndio que faz um barulho ensurdecedor e que não se desliga. Tanto faz que se tenha queimado uma torrada ou que a casa esteja a arder: os sensores estão desligados, por isso não consegue avaliar a dimensão do problema.

A Ansiedade disfuncional pode impedir-nos de atingir os nossos objectivos.

As ameaças e os perigos são sentidos em todos os lugares, mesmo nos lugares seguros.

Existem maneiras diferentes disso se manifestar. Temos, por exemplo, padrões específicos de ansiedade (disfuncional) que surgem repetidamente, como a perturbação da ansiedade generalizada, ansiedade social, fobia específica, transtornos obsessivos, stress pós-traumático.

A ameaça que a pessoa experimenta em cada um destes padrões é um pouco diferente.

Quando uma pessoa experimenta ansiedade social severa, por exemplo, teme que as outras pessoas a julguem ou excluam. Esse medo pode evoluir e ter vida própria, levando a outras possibilidades assustadoras:

“E se ninguém gostar de mim?”; “E se os meus amigos apenas fingem que gostam de mim?”; “E se eu não conseguir encontrar um parceiro? ”; “ E se eu ficar sozinha para sempre? ”

A perturbação de Stress Pós-Traumático (PTSD) e a perturbação Obsessivo-Compulsiva também tendem a apresentar uma ansiedade significativa.

A PTSD é uma perturbação que ocorre após uma pessoa viver uma experiência traumática, como um assalto ou um acidente de carro.

A ansiedade na PTSD, geralmente, tem a ver com a sensação de ameaça e perigo para a vida ou o bem-estar da pessoa.

Muitas vezes a pessoa pode ter medo de coisas que sentia como seguras: caminhar na rua, (no caso de um assalto); conduzir (no caso de um acidente de automóvel).

A ansiedade disfuncional também pode surgir associada a outros tipos de problemas de saúde mental, como a depressão.

Embora na depressão a dificuldade principal da pessoa possa passar por sentir-se em baixo e triste, ela pode ficar preocupada e muito mais ansiosa do que costumava ficar em relação a várias questões.

A Ansiedade disfuncional sobrestima o perigo

Basicamente, a ansiedade disfuncional, é a ansiedade que gera certo tipo de pensamentos (preocupações excessivas, receios de rejeição, expectativas de fracasso), de sentimentos (nervosismo, angústia) e de estados físicos (tensão, dores abdominais, dificuldade de concentração) que não são proporcionais à ameaça real.

Quando vamos a uma festa para conhecer novas pessoas, por exemplo, corremos o risco de que algumas das pessoas que nos são apresentadas não gostem de nós.

No entanto, a ansiedade vai focar-se apenas nisso e irá ignorar outras possibilidades: que há pessoas na festa que podem sentir-se neutras em relação a nós ou achar que somos interessantes, engraçados, etc.

A ansiedade disfuncional amplia as coisas a um ponto que se assemelham a uma catástrofe.

Se conhecer uma pessoa na festa e ela não simpatizar consigo por um motivo qualquer, é pouco provável que tenha um impacto significativo na sua saúde, objectivos, trabalho ou relacionamentos.

Contudo, a ansiedade disfuncional tece uma teia de pensamentos em que um evento trivial parece conduzir a todos os tipos de tragédias no futuro: não ter amigos, ficar sozinho para sempre, etc..

Simplificando, a ansiedade disfuncional sobrestima o perigo e subestima os nossos recursos internos e externos.

É fundamental compreender o que estamos a sentir para tomar decisões informadas sobre o que realmente fazer em relação aos vários tipos de ansiedade.

Se, por exemplo, estamos a lidar com a ansiedade útil e funcional, mas a confundimos com a ansiedade disfuncional podemos seguir o caminho perigoso de tentar eliminar algo que é de facto valioso e útil.

Em resumo, a ansiedade disfuncional:

Geralmente, a ansiedade não é proporcional à situação, contexto ou evento, e é, frequentemente, excessiva e avassaladora.

Muitas vezes leva a evitar pessoas, lugares ou situações que são temidas. Prejudica os nossos objectivos e acções.

Nunca se está verdadeiramente tranquilo: a ansiedade não desaparece, somente diminui por um curto período de tempo.

Como podemos saber que tipo de ansiedade estamos a sentir?

Antes de mais, é preciso dizer que as pessoas podem experimentar os vários tipos de ansiedade – às vezes, até no mesmo dia!

É importante ter presente que os vários tipos de ansiedade não são mutuamente exclusivos.

Alguém com ansiedade social poder ter um pavor existencial, ou um ataque de pânico depois de receber más notícias sobre o trabalho. Também pode ter uma preocupação perfeitamente funcional em relação a uma cirurgia que é necessário agendar.

A ansiedade disfuncional é mais rara, e a ansiedade funcional está presente no dia-a-dia da maioria das pessoas. A ansiedade existencial costuma aparecer sem convite.

Adaptado por Pedro Martins a partir de: “Understand Anxiety” – Alina Sotskova

Por que precisamos sentir-nos escutados - Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Por que precisamos sentir-nos escutados?

Um dos nossos desejos mais profundos – talvez mais profundo do que nos apercebemos – é sermos escutados e que as …

A História da Solidão - Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

A História da Solidão

Até há cerca de um século atrás, quase ninguém vivia sozinho; Como é que a vida moderna se tornou tão solitária? …

Elaboração Psíquica - Afecto, Emoção e Sentimento Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Elaboração Psíquica- Afecto, Emoção e Sentimento

Antes de vermos o que é a elaboração psíquica da emoção, é importante rever os termos afecto, emoção e sentimento. …