Categoria: Psicologia Clínica

As Mães são Sempre as Culpadas? Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

As Mães São Sempre as Culpadas?

“As Mães São Sempre as Culpadas”. Mito ou realidade?

O que é que o mito da mãe esquizofrenogénica nos impede de tentar compreender?

 

Nenhum relato da história da psiquiatria do século XX está completo sem uma discussão sobre a “mãe esquizofrenogénica”, uma invenção sinistra da saída da imaginação dos psiquiatras misóginos.

A “mãe esquizofrenogénica”, como referem, foi considerada a única responsável pela génese do sofrimento rotulado como “esquizofrenia” nos seus filhos.

Como Allan F. Mirsky e colegas observaram num artigo sobre as Irmãs Genain, “Os anos 50 foram a era em que o conceito de ‘mãe esquizofrenogénica’ foi amplamente aceite.

No livro “Mística Feminina”, Betty Friedan referiu:

“De repente, descobriu-se que a mãe podia ser responsabilizada por quase tudo.

Em todos os casos de crianças perturbadas, mas também de adultos alcoólicos, suicidas, esquizofrénicos, psicopatas, neuróticos; na homossexualidade masculina, impotência;  promiscuidade feminina, frigidez; asma, e em todas as perturbações dos americanos, poderia ser encontrada uma mãe…

Claramente, algo estava ‘errado’ com as mulheres americanas.”

Este culpar da mãe é frequente na literatura psiquiátrica de meados do século, como escreveu a psicóloga Stella Chess em 1965:

“O procedimento padrão é assumir que o problema da criança é reactivo (à relação com a mãe) ao contacto materno num relacionamento individual.

Situações particulares que se encaixam nestas especulações são citadas como típicas dos sentimentos da criança e das atitudes da mãe, e são tomadas como prova da universalidade da tese das atitudes maternas nocivas.”

Ou como John Neill, MD, observou uma geração depois:

“Tornou-se prática comum acreditar que as mães eram a causa da psicose dos seus filhos.”

Mas será que os psiquiatras realmente “culparam a mãe” com exclusão de todas as outras causas? De onde veio essa noção?

 

O conceito de mãe esquizofrenogénica não era suficiente para explicar a génese da esquizofrenia

 

Como na maioria dos mitos, o mito do foco da psiquiatria na mãe esquizofrenogénica tem um fundo de verdade.

Num artigo de 1948, a psiquiatra alemã Frieda Fromm-Reichmann escreveu:

“O esquizofrénico é dolorosamente desconfiado e ressentido com as outras pessoas, devido à severa manipulação e rejeição que encontrou nas pessoas importantes da sua infância e juventude, como regra, principalmente uma mãe esquizofrenogénica.”

A Dra. Fromm-Reichmann era uma psicanalista famosa pela sua compaixão e habilidade em manejar até os casos mais complicados, aparentemente intratáveis ​​de “esquizofrenia” com psicoterapia intensiva e sem medicação.

É importante referir que as observações acima foram retiradas dum artigo que nem sequer se referia directamente à etiologia da esquizofrenia, mas era dedicado quase exclusivamente à dinâmica da relação terapeuta-paciente.

A análise dos escritos dos colegas de orientação psicanalítica da Dra. Fromm-Reichmann nos anos 50 e 60 revela que desde o início eles entenderam perfeitamente que o conceito de mãe esquizofrenogénica não era suficiente para explicar a génese da esquizofrenia e que essa condição era provavelmente o resultado de famílias perturbadas, e não apenas de mães perturbadas.

Por exemplo, Trude Tietze (1949), escreveu sobre o papel do pai:

“Pouco se sabe sobre os pais de crianças esquizofrénicas. Nenhuma investigação sistemática ao pai foi realizada em conexão com o presente estudo.

No entanto foram entrevistados oito pais e a impressão era de que eles também tinham muitos problemas de personalidade. Pareciam pessoas perfeccionistas e obsessivas, tão doentes quanto as esposas.”

Da mesma forma, os psiquiatras Ruth e Theodore Lidz escreveram:

“Nos nossos dados, é visível que as influências paternas são tão nocivas quanto as maternas.”

As suas descobertas foram replicadas nos estudos de Clardy,  Nuffield, Wahl, entre outros, que confirmaram o papel de todos os membros da família.

 

É realmente um exagero sugerir que consequências terríveis podem ocorrer quando esse relacionamento corre mal?

 

O psiquiatra DD Jackson achou que a esquizofrenia deveria ser estudada como uma “doença de origem familiar que envolve um ciclo complicado de vetores que vão muito para além do que pode ser conotado pelo termo ‘mãe esquizofrenogénica’.

Lidz e seus colegas concordaram, observando:

“Uma vez que os nossos estudos estavam a pôr a descoberto sérias dificuldades em quase todas as áreas nessas famílias, preferimos equilibrar o assunto, direccionando a atenção para a situação total ao invés do foco na mãe.”

De qualquer forma, a relação mãe-filho é sem dúvida o relacionamento humano mais importante que existe.

É realmente um exagero sugerir que consequências terríveis podem ocorrer quando esse relacionamento corre mal?

O artigo de Tietze, acima, discute o caso clínico de uma jovem mulher com esquizofrenia cuja mãe estava obcecada em impedir a filha de se masturbar.

Essa mulher cheirava as mãos da filha durante o dia para verificar se ela se tinha masturbado, e efectuou duas mutilações cirúrgicas no clitóris da criança; uma quando tinha um ano e outra quando ela tinha dois.

Essa mesma mãe inspeccionava a vulva da sua filha todas as noites e batia-lhe se julgasse que os lábios da vulva estavam “irritados”.

Será que as acções desta mãe tiveram algo a ver com os problemas que a filha apresentou mais tarde? Com toda a certeza.

Mas reconhecer o papel do trauma infligido pela mãe a uma determinada pessoa não é o mesmo que culpar a mãe por toda a “doença mental”.

A questão é meramente académica? Não.

Olhemos a resposta do psicólogo L. Alan Sroufe a um artigo publicado no New York Times em 2012.

 

É visível que as influências paternas são tão nocivas quanto as maternas

 

O artigo discutiu o estudo de 2009 do MTA por Brooks e colegas nos quais 600 crianças com o rótulo de diagnóstico “TDAH” (Perturbação de hiperatividade com défice de atenção) foram seguidos por oito anos, e que não encontraram benefícios a longo prazo da medicação para essa perturbação em nenhuma das vinte e quatro variáveis ​​de resultado.

Dr. Sroufe concluiu:

“A ilusão de que os problemas de comportamento das crianças podem ser curados com drogas impede-nos como sociedade de procurar as soluções mais complexas e necessárias.

As drogas deixam toda gente – políticos, cientistas, professores e pais – livres de responsabilidades. Todos, excepto as crianças, claro.

Nem todos viram as coisas dessa maneira.

Numa resposta à opinião do Dr. Sroufe a autora Judith Warner acusou-o de querer fazer “uma viagem de volta a uma época… em que se acreditava que as crianças com doenças psiquiátricas eram vítimas de ‘mães esquizofrenogênicas tóxicas'”.

Mas nem o estudo do MTA nem o artigo do Dr. Sroufe fizeram menção às “mães esquizofrenogénicas”.

Esta tempestade num copo de água acaba por nos afastar da questão principal:

Um amplo estudo desenvolvido ao longo de vários anos não encontrou benefícios a longo prazo para o uso de poderosas drogas (dadas a milhões de crianças) que provocam alterações no cérebro.

Essas foram as conclusões que merecem uma discussão séria – e não evocações de “mães esquizofrenogénicas”.

Mais recentemente, surgiu um artigo no Washington Post descrevendo um pouco da história da Chestnut Lodge, a instituição privada no Maryland onde a Dra. Fromm-Reichmann realizou o seu trabalho inovador.

 

Reconhecer o papel do trauma infligido pela mãe a uma determinada pessoa não é o mesmo que culpar as mães por toda a “doença mental

 

O artigo foi bastante sobranceiro:

“À medida que a compreensão das causas biológicas e químicas das doenças mentais crescia, a ligação de Chestnut Lodge à psicanálise freudiana passou a parecer datado. Poderia realmente ser tratada uma psicose debilitante – e ocasionalmente perigosa – falando sobre a mãe? ”

Além do facto de que a psicoterapia não poder ser reduzida a “falar sobre a mãe”, ainda não há evidências confiáveis ​​de uma causa química ou biológica da esquizofrenia ou de qualquer outro “distúrbio funcional” comummente tratado com drogas.

Enquanto isso, desde o tempo que Fromm-Reichmann desenvolveu o seu trabalho, uma montanha de evidências se tem acumulado, conectando a esquizofrenia ao abuso sexual, abuso físico, abuso emocional, e uma grande variedade de outras categorias de experiências adversas na infância.

A correlação entre experiências adversas na infância e esquizofrenia é robusta e confiável.

Ele atravessa fronteiras nacionais, estratos sociais e etnias. Foi verificado repetidamente em estudos longitudinais, estudos transversais, e em estudos de casos.

Os autores do abuso podem ser pais, padrastos, avós, tios, irmãos mais velhos, primos, não parentes – e sim, às vezes mães.

Estes estudos também demonstraram que não existe um estilo de parentalidade especificamente ” esquizofrenogénico “.

Pelo contrário, qualquer uma das várias influências tóxicas (algumas em grande parte fora do controle dos pais, como doenças infantis ou morte de um dos pais) pode fazer com que o equilíbrio se incline para a esquizofrenia ou qualquer outra “doença mental”.

Por exemplo, um estudo descobriu que entre 45% e 60% dos pacientes diagnosticados com esquizofrenia foram sujeitos a abuso sexual na infância.

 

A ilusão de que os problemas de comportamento das crianças podem ser curados com drogas impede-nos como sociedade de procurar outras soluções

 

E, como o leitor sem dúvida já sabe, a grande maioria dos abusos sexuais na infância é perpetrada por homens, não por mulheres.

Esta é uma descoberta que deve ser recebida com alarme, e não como piada sobre “culpar a mãe”.

Mas também deve ser recebido com esperança, já que o abuso sexual infantil e outras experiências adversas na infância são problemas sobre os quais podemos agir.

O verdadeiro mito da mãe esquizofrenogénica é a ideia de que os psiquiatras sempre difundiram a ideia de que as mães são as únicas responsáveis ​​pela esquizofrenia nos seus filhos.

E esse mito tem sido usado por muito tempo como um espantalho para desviar a atenção da discussão séria sobre o papel do abuso e do trauma na génese da esquizofrenia e de outros tipos de sofrimento mental, e para promover explicações biológicas e intervenções farmacológicas para essas condições.

É hora de acabar com esse mito de uma vez para sempre.

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

a partir de “The Real Myth of the Schizophrenogenic Mother” – Patrick Hahn

Procrastinação: dificuldade em gerir tempo ou emoções? Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Procrastinação: dificuldade em gerir tempo ou emoções?

A investigação tem procurado esclarecer se a procrastinação é uma dificuldade em gerir o tempo ou em lidar com as emoções.

Tim Pychyl, de Carleton University, no Canadá, e a sua colaboradora Fuschia Sirois, da Universidade de Sheffield, no Reino Unido, propuseram que a procrastinação é uma dificuldade em lidar com as emoções, e não o tempo.

Adiamos uma tarefa porque ela faz-nos sentir mal – talvez seja chata, complicada ou estamos com medo de não a conseguirmos fazer bem, ou seja, do fracasso – e para nos sentirmos melhor (nesse momento) começamos a fazer outra coisa.

Uma das primeiras investigações a relacionar as emoções com a procrastinação foi publicada em 2001 por pesquisadores da Case Western Reserve University, no Ohio.

Ao pedirem às pessoas que lessem histórias tristes (tarefa) induziram-lhes sentimentos negativos.

Posteriormente, verificaram que isso aumentava a sua tendência para procrastinar,

Isso levou os participantes a distraíram-se com quebra-cabeças ou a jogar videojogos em vez de se prepararem para o teste de inteligência que estava incluído na investigação e do qual foram previamente informados.

Estudos subsequentes da mesma equipa mostraram que os sentimentos negativos só aumentam a procrastinação se estiverem disponíveis actividades agradáveis para se distraírem, e apenas se as pessoas acreditarem que podem mudar o seu humor.

Em investigações onde os sujeitos não contemplavam possibilidade de alterar o seu humor, não se verificou um adiamento da tarefa.

 

A tendência a procrastinar está associada à dificuldade em lidar com as emoções

 

A teoria da regulação emocional da procrastinação faz sentido de forma intuitiva.

A perspectiva da procrastinação como regulador emocional ajuda a explicar alguns novos e estranhos fenómenos, como a moda de assistir a vídeos de gatinhos, que tiveram milhões de visualizações no YouTube.

Uma pesquisa envolvendo milhares de pessoas, efectuada por Jessica Myrick, da Universidade de Indiana, confirmou a procrastinação como um motivo comum para ver os vídeos de gatos e que vê-los levou a uma melhoria do humor.

A pesquisa de Myrick também destacou outro aspecto emocional associado à procrastinação – a culpa.

Muitos dos inquiridos sentiam-se culpados depois de verem os vídeos dos gatos.

Isso mostra como a procrastinação é uma estratégia de regulação emocional ineficaz.

Embora possa trazer alívio a curto prazo, ela apenas adia os problemas para mais tarde.

Em certos casos, ao retardar o trabalho as pessoas começam a sentir mais stress, culpa e frustração.

Talvez não cause admiração que a pesquisa de Fuschia Sirois tenha mostrado que a procrastinação sistemática está associada a uma série de consequências na saúde física e mental, incluindo ansiedade, depressão, infecções e doenças cardiovasculares.

Sirois acredita que a procrastinação tem estas consequências adversas através de duas vias:

  1. a) – É stressante continuar a adiar tarefas importantes e não cumprir os objectivos
  2. b) – A procrastinação geralmente retarda comportamentos saudáveis, tais como fazer exercício físico ou consultar um médico.

Ao longo do tempo, o stress elevado e a ausência de comportamentos saudáveis teem um efeito negativo na saúde.

Isto significa que superar a procrastinação pode ter um impacto positivo na vida das pessoas.

A pesquisa de Sirois sugere que “diminuir a tendência de procrastinar sistematicamente em 1 ponto [numa escala de 5 pontos de procrastinação] significaria (potencialmente) que o seu risco de ter problemas de saúde cardíaca se reduziria em 63%”.

 

A procrastinação é uma estratégia de regulação emocional ineficaz

 

Outro dado importante das pesquisas indica que aqueles que procrastinam mais tendem a ter uma inflexibilidade psicológica:

– definida como o domínio rígido de certas reacções psicológicas sobre os valores pessoais na orientação das acções.

O estudo de Nikolett Eisenbeck e seus colegas, publicado no Journal of Contextual Behavioral Science, indica que os níveis mais altos de procrastinação estavam relacionados com um elevado sofrimento psicológico.

Tanto a procrastinação como a angústia foram associadas à inflexibilidade psicológica.

Além disso, a inflexibilidade psicológica mediou a relação entre o sofrimento psicológico e a procrastinação.

Este papel mediador foi observado nos três estados emocionais negativos: depressão, ansiedade e stress.

Estes resultados indicam a existência de uma ligação entre que os estados emocionais negativos e a procrastinação.

Outras pesquisas, mas também a experiência vivida, mostram muito claramente que, uma vez começada uma tarefa, normalmente somos capazes de continuar. Começar não é tudo, mas pode ser uma grande ajuda.

Aborde os verdadeiros motivos pelos quais procrastina e é provável que comece a alcançar os seus objectivos de forma mais rápida e menos angustiante.

A Satisfação Conjugal Depende do Desejo Sexual das Mulheres - Pedro Martins Psicoterapeuta/Psicólogo Clínico

A Satisfação Conjugal Depende do Desejo Sexual das Mulheres

O declínio do desejo sexual nas mulheres prediz menor satisfação para ambos os parceiros.

O casamento é projectado para consolidar a permanência de um relacionamento, no entanto, muitos cônjuges ficam insatisfeitos com o casamento.

Os pesquisadores identificaram uma (outra) fonte potencial dessa insatisfação:

– Uma incompatibilidade na forma como os desejos sexuais dos casais mudam ao longo do tempo (McNulty et al., 2019).

McNulty e os seus colegas avaliaram, em casais heterossexuais recém- casados, o desejo sexual, a frequência, a satisfação conjugal e outras dimensões, como o stress e sintomas depressivos.

Eles também observaram se os recém-casados ​​tiveram filhos no decorrer do estudo.

Em dois estudos longitudinais (um de um ano e outro de quatro anos), os pesquisadores descobriram que em média, os níveis de desejo sexual das mulheres eram não apenas inferiores aos dos homens no início dos seus casamentos, mas também com muito mais variações ​​que nos homens.

Os níveis de desejo sexual dos homens permaneceram mais altos e mais constantes que os das mulheres ao longo dos dois estudos.

Além disso, declínios do desejo sexual das mulheres prediziam um declínio na satisfação conjugal nos dois membros do casal.

Curiosamente, embora a libido das mulheres tenha diminuído ao longo do tempo, a frequência das relações sexuais dos casais não diminuiu.

Isto sugere que as mulheres, provavelmente, tinham relações sexuais mesmo quando não o desejavam.

Como os dados foram recolhidos ao longo do tempo, os autores também avaliaram a possibilidade inversa – que a satisfação conjugal em declínio era preditiva de menos desejo sexual. No entanto, isso não foi suportado pelos dados.

 

Em média os níveis de desejo sexual das mulheres são inferiores aos dos homens.

 

Para os casais que tiveram filhos durante o decorrer do estudo, o desejo sexual das mulheres diminuiu ainda mais acentuadamente, mas o dos homens ainda tendia a permanecer estável.

No entanto, os autores enfatizam que, como os casais sem filhos também apresentaram declínios, a paternidade não é o único factor a influenciar a libido das mulheres e a satisfação conjugal dos casais.

Os autores sugerem que o desejo sexual nas mulheres pode funcionar não apenas para facilitar a reprodução, mas também para favorecer a ligação dos casais.

Eles especulam que, uma vez casadas, as mulheres podem não sentir uma necessidade tão grande de sexo para garantir o vínculo com os maridos.

Os pesquisadores referem que os resultados podem ser diferentes em casais homossexuais. Em futuros estudos é importante considerar outros grupos e culturas.

Além disso, os casais do estudo eram todos recém-casados; portanto, os autores acreditam que as correlações podem mudar para casais mais velhos ou não-casados.

Os pesquisadores também recomendam estudar os factores que podem prevenir/impedir o declínio do desejo nas mulheres, como “estar mais disposto a reconhecer e a responder às necessidades sexuais de um parceiro, tendo consciência que o sexo dá trabalho e o desejo tem flutuações”.

Referem que uma incompatibilidade no desejo sexual nos casais é normal e típico e os casais podem procurar resolver esses problemas com um terapeuta.

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins a partir de :

Relationship Satisfaction Is Closely Tied to Women’s Sexual Desire – Madeleine A. Fugère

Pensa que a Dor Crónica é puramente física? Pedro Martins - Psicólogo Clínico/Psicoterapeuta

A dor crónica é puramente física?

A dor crónica não é simplesmente uma questão biomédica – é também psicológica e social.

Embora o British Journal of Medicine faça referência a um problema grave no que diz respeito à dor crónica e ao consumo de opioides nos Estados Unidos (Mackey & Kao, 2019), outros países enfrentam problemas semelhantes.

A dor crónica (DC); dor que dura três ou mais meses ou além do tempo de cura esperado, é uma epidemia que afecta actualmente milhões de pessoas.

A DC pode deixar vidas em pausa, uma vez que impede a pessoa de trabalhar, exercitar-se, ter relações sexuais, hobbies ou até sair de casa.

Uma razão pela qual nos encontramos nesta situação deve-se ao facto de a dor ser historicamente enquadrada como um problema “biomédico”.

Portanto, foi tratado principalmente com soluções biomédicas, como comprimidos e procedimentos médicos. No entanto, a dor crónica não está a ser tratada.

As taxas de dependência de opioides aumentam rapidamente e a prevalência de dor crónica continua a subir (Nahin et al., 2019).

Embora isso não signifique que se deva tirar os medicamentos das mãos de pessoas que sofrem de dor a longo prazo – o que é anti-ético na melhor das hipóteses e cruel na pior -, mas, claramente, algo tem mudar.

Graças aos recentes avanços da ciência e da medicina, agora entendemos a dor melhor do que nunca.

Pesquisas sobre manejo e tratamento da dor avançam diariamente, e os erros anteriores estão a ser corrigidos.

 

A dor “física” também é, – sempre -, afectada pelas emoções.

 

Para entender melhor a dor, vamos primeiro defini-la:

É uma “experiência sensorial e emocional desagradável”. Dito de outra forma, a dor é física e emocional 100% do tempo. Nunca é apenas emocional ou física.

Isto é confirmado por pesquisas em neurociência que indicam que a dor é processada por várias partes do cérebro, incluindo o sistema límbico – unidade responsável pelas emoções (Martucci & Mackey, 2018).

A dor “física” também é, – sempre -, afectada pelas emoções.

Por que temos dor?

A dor serve como sistema de resposta a perigos no corpo, mantendo-nos seguros e vivos, alertando-nos sobre possíveis riscos, e ensina-nos a evitar situações perigosas.

Quando queimamos a mão numa coisa quente, as probabilidades de aprender com esse acidente e não o repetirmos são altas.

Se torcemos um pé numa corrida, a dor leva-nos a parar, procurar ajuda e tratar o pé.

Você pode razoavelmente acreditar que a dor está localizada exclusivamente no corpo, na parte que dói.

Mas enquanto as informações sensoriais do corpo são críticas para o processamento da dor, ela é, realmente, construída pelo cérebro.

A evidência disso está na condição designada por “dor fantasma” nos membros, na qual uma vítima de um acidente perde um membro e continua a sentir uma dor enorme na parte do corpo que não está lá.

Se a dor estivesse localizada exclusivamente no corpo, a ausência de um membro deveria significar ausência de dor.

 

A dor serve como sistema de resposta a perigos no corpo, mantendo-nos seguros e vivos.

 

Também é razoável acreditar que a dor se deve exclusivamente a problemas biológicos com base no corpo, conforme sugerido pelo modelo biomédico (por exemplo, “o problema está nos tecidos”).

No entanto, o que sabemos actualmente – e na verdade, sabemos há décadas – é que a dor não é biomédica, mas biopsicossocial (Gatchel, 2004).

Isso significa que há três domínios sobrepostos (igualmente importantes), a termos em conta, se queremos tratar efectivamente a DC: biologia, psicologia e o funcionamento social.

O domínio biológico, geralmente, recebe mais atenção, mas restam dois terços do modelo.

Os factores psicossociais, essenciais para o tratamento eficaz, são frequentemente ignorados.

 

A pesquisa revela que as emoções negativas, pensamentos catastróficos e comportamentos pouco saudáveis exacerbam a dor crónica

 

O domínio psicológico da dor inclui pensamentos e crenças (por exemplo, “estou mal; nunca melhorarei”); expectativas e experiências anteriores; emoções (por exemplo, ansiedade, raiva, depressão) e comportamentos.

Os factores sociais incluem status socioeconómico, acesso a cuidados, família, amigos, cultura, comunidade, contexto e outros factores sócio-ambientais.

A pesquisa em neurociência revela que as emoções negativas, pensamentos catastróficos e comportamentos pouco saudáveis, efectivamente, exacerbam a dor, agravam os sintomas e mantêm a pessoa presa num ciclo de medo, inactividade, miséria e dor.

Dito de outra maneira: stress, ansiedade, depressão, pensamentos catastróficos, expectativas negativas com foco na dor, retraimento social e falta de exercício, pioram a dor.

Ao mesmo tempo a pesquisa refere que podemos exercer algum controle sobre a dor, através do manejo das emoções, pensamentos e crenças, mediante vários tipos de terapia.

Além disso, facultar aos pacientes educação e compreensão sobre a dor pode reduzi-la, assim como a incapacidade associada.

As abordagens psicossociais para o tratamento da dor são tão promissoras que foram incorporados nas clínicas de tratamento da dor da UCSF e de Stanford.

Portanto, se você tem dor crónica, lembre-se do seguinte: mudar o seu cérebro pode modificar a sua dor.

A saúde emocional afecta directamente sua saúde física, porque o cérebro e o corpo estão conectados.

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

A partir de “Think Pain Is Purely Medical? Think Again.” – Rachel Zoffness

Raciocínio Motivado Por que vemos o que queremos ver Pedro Martins Psicoterapeuta

Raciocínio Motivado – Por Que Vemos o Que Queremos Ver?

A Neuropsicologia do Raciocínio Motivado

Uma vez Obi-Wan Kenobi aconselhou Luke Skywalker a não confiar nos seus olhos, porque “os teus olhos podem enganar-te”.

A maioria de nós pode lembrar-se de um exemplo em que os nossos olhos nos enganaram e viram o que eles queriam ver:

Uma pessoa em que estávamos a pensar, ao longe, numa rua movimentada; uma pedra em forma de coração que procurávamos na praia.

Há décadas que este fenómeno – Raciocínio/Percepção Motivado -, é investigado.

De facto, o mundo como o concebemos na nossa consciência não é exactamente uma representação precisa do que ele realmente é.

A nossa percepção é frequentemente tendenciosa, selectiva e maleável.

Os nossos desejos podem afectar o que vemos, condicionando a maneira como processamos as informações visuais.

Num estudo de 1954, quando estudantes de universidades rivais assistiam a um jogo de futebol entre as suas equipas, houve discussão, uma vez que os estudantes disseram ter visto mais faltas cometidas pela equipa adversária.

 

Os nossos desejos e objectivos têm uma influência incontestável nas nossas vidas.

 

Por que somos propensos a ver o que queremos ver?

Pesquisas recentes publicadas na Nature Human Behavior demonstram como as nossas motivações e desejos podem dar origem a dois tipos de viés:

Um viés perceptivo (quando as nossas motivações influenciam de cima para baixo as nossas percepções) e um viés de resposta (quando relatamos ter visto o que queremos ver).

O estudo efectuado por investigadores da universidade de Stanford explora como esses vieses afectam as nossas percepções.

O estudo

Enquanto estavam a fazer uma ressonância magnética, os participantes realizaram uma tarefa de categorização visual.

Foram-lhes apresentadas imagens compostas que mostravam uma mistura de um rosto (masculino / feminino) e uma cena (interna / externa) em diferentes dimensões.

Os participantes tiveram quatro segundos para decidir se a imagem tinha “mais rosto” ou “mais cena”, ganhando dinheiro por cada categoria acertada.

 

Os nossos desejos podem afectar o que vemos.

 

Os pesquisadores, então, manipularam a motivação dos participantes para verem um tipo de imagem em detrimento de outra (por exemplo, um rosto sobre uma cena), informando-os que eles poderiam ganhar (ou perder) dinheiro extra se a próxima imagem que eles vissem fosse de uma categoria específica (uma face).

Os resultados mostraram que os participantes tenderam a demonstrar vieses nos seus julgamentos perceptivos, alinhados com as suas motivações e desejos.

Nomeadamente, eles tendiam a rotular as imagens ambíguas como exibindo a categoria associada à recompensa (face).

Isso ocorreu mesmo quando as suas percepções estavam incorrectas, levando a perdas monetárias.

Assim, o desejo de ver uma certa imagem afectou o julgamento dos participantes, reflectindo um viés perceptivo e de resposta – eles não apenas tendiam a referir o que desejavam ver, mas também eram mais propensos a realmente ver o que queriam ver.

 

Como fazemos julgamentos perceptivos?

Como é que os participantes do estudo decidiram se estavam a olhar para um rosto ou uma cena?

Tudo começa nos olhos. A informação viaja dos olhos para o córtex visual primário no lobo occipital do cérebro.

Uma teoria sugere que a informação é processada em duas vias visuais: a via ventral, que se pensa ser responsável por codificar o que estamos a ver; e a via dorsal, pela percepção das localizações onde ocorre o evento visual.

Na via ventral, existem áreas específicas contendo neurónios que são mais selectivos para a percepção de rostos e neurónios mais especializados em cenas.

Um julgamento perceptivo pode ser feito através da comparação da actividade dos neurónios mais selectivos para a percepção de faces e os neurónios mais selectivos para a percepção de cenas:

A região que mostra mais actividade deve “vencer” e a categoria representada por esses neurónios deve ser seleccionada.

 

A nossa percepção é frequentemente tendenciosa, selectiva e maleável.

 

O que os resultados do presente estudo sugerem é que os neurónios nessas regiões também podem ser influenciados por sistemas de atenção e recompensa.

De facto, os pesquisadores foram capazes de investigar os mecanismos neuronais correspondentes dos dois vieses e explorar como a motivação dos participantes para ver uma categoria (face) sobre a outra (cena) influenciou os seus julgamentos perceptivos.

Como tal, maiores vieses motivacionais estavam ligados a mais actividade neuronal nas áreas visuais ventrais do cérebro, enquanto a actividade no núcleo accumbens – uma região central do sistema de recompensa do cérebro – correlacionava-se com os vieses de resposta dos participantes.

Os nossos desejos e objectivos têm uma influência incontestável nas nossas vidas.

Como a pesquisa demonstra, essas influências afectam não apenas a nossa cognição, emoções e comportamento, mas também – literalmente – como vemos o mundo.

Segundo Yuan Chang Leong, o seu estudo tem duas implicações importantes.

A primeira tem a ver com a nossa representação do mundo. “Na maioria dos casos, gostaríamos de ter uma visão objectiva da realidade para fazer julgamentos precisos com base em evidências objectivas.

Se estivermos cientes de como os desejos pintam a nossa percepção, podemos tomar medidas para corrigir mentalmente o viés ”, refere Leong.

A segunda implicação diz respeito à maneira como nos relacionamos com os outros – em particular aqueles que não compartilham os nossos desejos e crenças:

“Sabendo que os outros podem realmente estar a ver as coisas de maneira diferente de nós, e nenhum de nós está necessariamente mais próximo da realidade objectiva, seriamos mais capazes de simpatizar com a forma como agem e se sentem.”

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

A partir de: Why we see what we want to see – Marianna Pogosyan

Esperar-o-pior-pode-levar-ao-pior.-Pedro-Martins-Psicoterapeuta

Esperar o Pior Pode Levar ao Pior

Um novo estudo mostra como os neuróticos criam as suas próprias profecias auto-realizáveis. Esperar o pior pode levar ao pior.

Você está prestes a encontrar-se com uma pessoa que conheceu online, talvez um futuro namorado; a ir a uma entrevista de emprego solicitada por uma empresa.

Inegavelmente, estas parecem ser grandes oportunidades, mas elas podem despertar muitas questões e medos internos.

Eles vão gostar de você o suficiente para avançar para um relacionamento, romântico ou profissional?

O que fará quando se encontrar com eles?

Você pensa nos momentos em que falhou em situações semelhantes e só consegue imaginar que as coisas vão correr mal.

Se disser a coisa errada a decepção será ainda maior.

E se deixar as suas crenças políticas escaparem na conversa, apenas para descobrir que essa pessoa pensa exactamente o oposto?

E se a sua mente ficar em branco quando tentar responder a uma pergunta importante?

 

As crenças negativas fazem com que as pessoas vejam as suas experiências através de um conjunto distorcido de percepções.

 

De acordo com a teoria cognitiva das emoções, a manutenção das crenças disfuncionais impedem as pessoas de vivenciarem a felicidade e leva-as a sentirem-se deprimidas e ansiosas.

Estas crenças disfuncionais incluem:

– Ideias de que as outras pessoas não gostam de você;

– Esperar o pior numa nova situação;

– Usar as ocasiões em que não teve sucesso como prova de que nunca terá êxito no futuro.

Segundo a teoria cognitiva as crenças negativas que você mantém sobre si mesmo fazem com que veja as suas experiências através de um conjunto distorcido de percepções.

 

O que faz manter as percepções negativas?

1 – Você teve tantas experiências negativas no passado que se acostumou ao fracasso e agora ele está enraizado na sua identidade.

2 – Os traços de personalidade distorcem as suas percepções de uma forma que impossibilitam que você tenha expectativas de que alguma coisa boa lhe vai acontecer.

Um estudo de Wilson McDermut e al. refere que os traços neuróticos de personalidade desempenham um papel importante ao afectarem as crenças disfuncionais das pessoas e, como resultado, a felicidade delas.

Em suma, a sua personalidade pode muito bem preparar o terreno para você ter crenças que atrapalhem o seu sucesso e felicidade. A questão é como.

O estudo de McDermut et al. sugere que a tendência para manter percepções distorcidas sobre si mesmo e das suas capacidades, e expectativas negativas parece mais provável de se desenvolver em pessoas cuja personalidade tende a olhar o mundo com preocupação e ansiedade.

Se crenças disfuncionais que indivíduos altamente neuróticos mantêm forem abordadas através de uma intervenção, então é possível ajudá-los a reverter o processo e desenvolver crenças renovadas nas suas capacidades.

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

A partir de: “Expecting the Worst Can Lead to the Worst If You’re Neurotic” – Susan Krauss Whitbourne

O Papel do Toque na Diminuição da Dor Pedro Martins Psicoterapeuta

O Papel do Toque na Diminuição da Dor

Quando os parceiros se tocam, a respiração e os batimentos cardíacos sincronizam-se e a dor diminui.

Esta é uma conclusão dum estudo onde se verificou que:

– Quando um parceiro empático segura a mão da mulher com dor, os ritmos cardíacos e respiratórios sincronizam-se e a dor dissipa-se.

“Quanto mais empático o parceiro e mais forte o efeito analgésico, maior a sincronização entre os dois quando se tocam”, refere Pavel Goldstein.

O estudo de 22 casais, publicado na revista Scientific Reports é o mais recente de um conjunto crescente de pesquisas sobre a “sincronização interpessoal”:

– Fenómeno no qual os indivíduos começam a reproduzir aspectos fisiológicos daqueles com os quais convivem.

Os cientistas sabem há muito tempo que as pessoas inconscientemente sincronizam os seus passos com a pessoa com quem caminham ou ajustam a sua postura para espelhar as de um amigo durante uma conversa.

Estudos recentes também mostram que quando as pessoas assistem a um filme emotivo ou cantam juntas, os batimentos cardíacos e os ritmos respiratórios sincronizam-se.

E quando os casais estão simplesmente na presença um do outro, os seus padrões cardiorrespiratórios e de ondas cerebrais sincronizam-se.

A ideia para o estudo surgiu a Goldstein depois de testemunhar o nascimento da sua filha, agora com 4 anos.

“A minha esposa estava com dores, e tudo que eu conseguia pensar era: ‘O que é que eu posso fazer para ajudá-la?’

Eu peguei na mão dela e pareceu ajudar”, lembra ele.

“Eu queria testá-lo em laboratório:

Pode-se realmente diminuir-se a dor com o toque e, em caso afirmativo, como?”

 

Quando os parceiros se tocam, a respiração e os batimentos cardíacos sincronizam-se e a dor diminui.

 

Goldstein recrutou 22 casais heterossexuais com um relacionamento longo, com idades entre 23 e 32 anos.

Fê-los passar por uma série de testes com o objectivo de reproduzir o cenário da sala de parto.

Aos homens foi atribuído o papel de observador; as mulheres o alvo da dor.

Ao mesmo tempo que os instrumentos mediam os ritmos do coração e da respiração, eles sentaram-se:

juntos sem se tocar; sentados juntos de mãos dadas; ou sentados em quartos separados.

Eles repetiram os três cenários enquanto a mulher era submetida a uma leve dor provocada por calor, no antebraço, por 2 minutos.

Tal como em investigações anteriores, o estudo mostrou casais fisiologicamente sincronizados em algum grau apenas quando sentados juntos.

Mas quando ela foi submetida à dor e ele não pode tocá-la, essa sincronização foi cortada.

Quando ele foi autorizado a segurar a mão dela, os ritmos voltaram a sincronizar-se e a dor diminuiu.

“Parece que a dor interrompe totalmente essa sincronização interpessoal entre casais”, disse Goldstein. “Com o toque restabelece-se a sincronização.”

A pesquisa de Goldstein mostrou que, quanto mais empatia o homem mostrava pela mulher (medida noutros testes), mais a dor diminuía durante o toque.

Quanto mais fisiologicamente sincronizados eles estavam, menos dor a mulher sentia.

Ainda não está claro se a diminuição da dor causa o aumento da sincronicidade ou vice-versa.

“Pode ser que o toque seja uma ferramenta para comunicar empatia, resultando num efeito analgésico”, referiu Goldstein.

São necessárias mais pesquisas para descobrir como o toque de um parceiro diminui a dor.

Goldstein suspeita que a sincronização interpessoal pode desempenhar um papel, possivelmente por afectar uma área do cérebro chamada córtex cingulado anterior, que está associada à percepção da dor, empatia, função cardíaca e respiratória.

 

Quanto mais empático o parceiro e mais forte o efeito analgésico.

 

O estudo não explorou se o mesmo efeito ocorreria com casais do mesmo sexo, ou o que acontece quando o homem é sujeito à dor.

Goldstein mediu a actividade das ondas cerebrais e planeia apresentar esses resultados num estudo futuro.

Ele espera que a pesquisa ajude a dar credibilidade científica à noção de que o toque pode aliviar a dor.

Por enquanto, ele tem alguns conselhos para o parto:

– Esteja pronto e disponível para segurar a mão da sua parceira.

As crianças querem ajudar e devemos deixar. Pedro Martins Psicoterapeuta

As crianças querem ajudar e devemos deixar

Tendemos a pensar nas crianças mais como fonte de trabalho extra do que como fonte de ajuda.

Muitas vezes pensamos que levar a que os nossos filhos nos ajudem em casa é trabalho a dobrar.

Também tendemos a pensar que a única forma de obter ajuda das crianças é pressioná-las, através de ameaças de castigo ou “suborno”, que, por boas razões, podemos ser relutantes em fazer.

Geralmente pensamos no trabalho como algo que as pessoas naturalmente não querem fazer, e passamos essa visão aos nossos filhos, que depois a transmitem aos seus filhos.

No entanto, as pesquisas encontraram fortes evidências de que as crianças muito jovens, inatamente, querem ajudar.

E se tiverem permissão para fazê-lo, continuarão a ajudar, voluntariamente, ao longo da infância e até à idade adulta.

 

Evidências do instinto infantil de ajudar

Num estudo clássico, realizado há mais de 35 anos, Harriet Rheingold (1982) observou crianças de 18, 24 e 30 meses a interagir com os pais (mãe em alguns casos, pai noutros) enquanto estes realizavam tarefas domésticas de rotina.

Entre elas estavam: dobrar a roupa, varrer o chão, levantar a loiça da mesa, e arrumar coisas espalhados pelo chão.

 

As pesquisas encontraram fortes evidências de que as crianças muito jovens, inatamente, querem ajudar.

 

No estudo, pediu-se a cada pai que trabalhasse relativamente devagar e permitisse que o filho ajudasse se quisesse, mas não pedisse ajuda à criança ou direccionasse a ajuda por meio de instruções verbais.

O resultado foi que todas as crianças (80 no total) ajudaram voluntariamente a fazer o trabalho.

A maioria delas ajudou em mais de metade das tarefas que os pais realizavam, e alguns até iniciaram tarefas antes dos pais.

Além disso, nas palavras de Rheingold, “as crianças realizaram as tarefas com movimentos rápidos e enérgicos, entoações vocais de contentamento, expressões faciais de prazer, e satisfação com a conclusão da tarefa”.

Muitos outros estudos confirmaram o desejo, aparentemente universal, das crianças pequenas em ajudar.

Este comportamento de ajuda não tem por base a obtenção de uma recompensa.

 

As crianças são intrinsecamente motivadas, em vez de motivadas extrinsecamente

 

De facto, Felix Warneken e Michael Tomasello (2008) descobriram que oferecer uma recompensa por ajudar reduz a ajuda subsequente.

Numa experiência, possibilitaram que crianças de 20 meses ajudassem o experimentador de várias maneiras e que algumas crianças fossem recompensadas (com a oportunidade de brincar com um brinquedo atraente) e outras não.

O resultado foi que aquelas que tinham sido recompensadas ​​por ajudar tinham muito menos probabilidade de ajudar do que aquelas que não tinham sido recompensadas.

Apenas 53% das crianças na condição anteriormente recompensada ajudaram, em comparação com 89% na condição não recompensada.

Esta descoberta é uma evidência de que as crianças são intrinsecamente motivadas, em vez de motivadas extrinsecamente, para ajudar.

Isto é, ajudam porque querem ser úteis, não porque esperam algo por isso.

Muitas outras pesquisas mostraram que as recompensas tendem a minar a motivação intrínseca.

Na nossa cultura costumamos cometer dois erros em relação aos desejos das crianças pequenas de ajudar.

Primeiro, pomos de lado as ofertas de ajuda, porque estamos com pressa de fazer as coisas e acreditamos (muitas vezes correctamente) que a “ajuda” da criança vai-nos atrasar ou a criança não vai fazer bem as coisas e nós vamos ter de fazer de novo.

Segundo, se realmente queremos ajuda da criança, oferecemos algum tipo de acordo, alguma recompensa, para fazê-lo.

No primeiro caso, passamos a mensagem à criança de que ela não é capaz de ajudar.

E no segundo caso, passamos a ideia de que ajudar é algo que uma pessoa só fará se receber algo em troca.

 

O seu filho está ajudar, em parte, para reforçar o vínculo consigo.

 

Em resumo, a pesquisa sugere que, se você quiser que o seu filho seja seu parceiro nas tarefas de casa, faça o seguinte:

Assuma que se trata de um trabalho da família, e não apenas seu, o que significa que você não é a única pessoa responsável por fazê-lo.

Deve renunciar a algum controle sobre a forma como o trabalho é feito.

Se você quer que seja feito exactamente do seu jeito, terá que fazer isso sozinho ou contratar alguém para fazê-lo.

Entenda que as tentativas das crianças de ajudar são genuínas e, se você dedicar algum tempo para deixar a criança ajudar, talvez com um pouco uma orientação discreta, ela acabará por se tornar boa nisso.

Evite pedir ajuda, negociar, recompensar ou controlar, pois tudo isso prejudica a motivação intrínseca da criança para ajudar.

Um sorriso de contentamento e um agradável “obrigado” é bom e sabe bem. É o que seu filho quer de si.

O seu filho está ajudar, em parte, para reforçar o vínculo consigo.

A ajuda é boa não só para você, mas também para o seu filho. Ele está a crescer de forma muito positiva, ajudando.

Ao ajudarem os filhos adquirem capacidades e sentimentos de valorização pessoal, auto-estima e de pertença, contribuindo para o bem-estar da família.

Ao mesmo tempo, quando se permite à criança ajudar, o altruísmo inato é nutrido.

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

a partir de “Toddlers Want to Help and We Should Let Them” – Peter Gray

Eu Achava que a Estava a Ajudar Pedro Martins Psicoterapeuta

Eu achava que a estava a ajudar, mas…

Uma grande amiga minha perdeu o pai há uns tempos. Encontrei-a sentada sozinha num banco, junto ao nosso local de trabalho, sem se mexer, apenas a olhar para o horizonte.

Ela estava devastada. Eu queria ajudar mas não sabia o que lhe dizer. É tão fácil dizer a coisa errada a alguém que está vulnerável e em sofrimento.

Então, comecei a falar sobre como cresci sem pai. Disse-lhe que o meu pai se tinha afogado num submarino quando eu tinha apenas 9 meses de idade e que me custava muito a sua perda, mesmo que eu nunca o tivesse conhecido.

Eu só queria que ela percebesse que não estava sozinha, que eu tinha passado por algo parecido e que podia entender como ela se sentia.

Mas depois de ter relatado essa história, a minha amiga olhou para mim e disse: “Ok, Celeste, ganhaste. Tu nunca tiveste um pai e eu pelo menos consegui passar 30 anos com o meu. Foi pior para ti. Eu acho que não deveria estar tão chateada com a morte do meu pai.”

Fiquei atordoada e mortificada. A minha reacção imediata foi defender-me. “Não, não, não”, disse, “não é isso que estou a dizer. Eu só quis dizer que sei como tu te sentes.”

E ela respondeu: “Não, Celeste, tu não sabes. Tu não tens ideia de como eu me sinto.”

Ela afastou-se e eu fiquei ali impotente vendo-a a ir embora e a sentir-me me como uma idiota. Eu tinha falhado totalmente à minha amiga.

Eu queria consolá-la e, em vez disso, a fiz sentir pior. Naquele momento, eu ainda sentia que ela me tinha entendido mal.

Pensei que ela estava num estado muito frágil e me tinha atacado injustamente quando eu estava apenas a tentar ajudar.

 

Daquele dia em diante, comecei a perceber com que frequência respondia a histórias de perda e sofrimento com histórias das minhas próprias experiências.

 

Mas a verdade é que ela não me entendeu mal. Ela entendeu o que estava a acontecer, talvez melhor do que eu.

Quando ela começou a compartilhar os seus sentimentos senti-me desconfortável.

Eu não sabia o que dizer, então passei para um assunto com o qual estava confortável: eu mesma.

Eu posso ter tentando empatizar, pelo menos a um nível consciente, mas o que realmente fiz foi desviar o foco da sua angústia e voltar a atenção para mim.

Ela queria falar comigo sobre o seu pai, contar-me sobre o tipo de homem que ele era, para que eu pudesse apreciar plenamente a magnitude da sua perda.

Em vez disso, pedi a ela que parasse por um momento e ouvisse minha história sobre a morte trágica do meu pai.

Daquele dia em diante, comecei a perceber com que frequência respondia a histórias de perda e sofrimento com histórias das minhas próprias experiências.

Quando uma colega de trabalho foi demitida, eu contei-lhe o quanto eu me esforcei para encontrar um emprego depois de ter sido despedida anos antes.

Mas quando comecei a prestar mais atenção à forma como as pessoas reagiam às minhas tentativas de empatizar, percebi que o efeito de compartilhar as minhas experiências nunca foi aquele que eu pretendia.

 

Ela não precisava de conselhos ou das minhas histórias. Ela só precisava que eu a ouvisse.

 

O que todas essas pessoas precisavam era que eu as ouvisse e reconhecesse o que elas estavam a sofrer. Em vez disso, forcei-os a ouvirem-me.

Hoje em dia, tento estar mais consciente do meu instinto de compartilhar histórias e falar de mim mesma.

Tento fazer perguntas que incentivem a outra pessoa a continuar e fiz um esforço consciente para ouvir mais e falar menos.

Recentemente tive uma longa conversa com uma amiga minha que estava a passar por um divórcio. Passamos quase 40 minutos ao telefone e eu mal disse uma palavra.

No final do telefonema, ela disse: “Obrigada pelo teu conselho. Realmente ajudaste-me a resolver algumas coisas.”

A verdade é que realmente não lhe dei nenhum conselho; a maior parte do que eu disse foi uma versão de “Isso não parece nada fácil. Sinto muito que isso esteja a acontecer contigo.”

Ela não precisava de conselhos ou das minhas histórias. Ela só precisava que eu a ouvisse.

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

A partir de: The Mistake I Made With My Grieving Friend – Celeste Headlee

A importância de beijar. Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo

A Importância de Beijar

Um dos aspectos surpreendentes dos relacionamentos é a quantidade de segurança que precisamos para acreditar que somos activamente desejados.

Não é menos surpreendente, a forma como facilmente esquecemos este facto embaraçoso, tanto sobre nós mesmos como sobres as outras pessoas.

A narrativa dominante sobre amor diz-nos que a insegurança, no que diz respeito a ser desejado, atinge o seu auge no início do namoro, quando estamos profundamente conscientes das inúmeras razões pelas quais o nosso parceiro pode não estar interessado em levar as coisas adiante.

No entanto, uma vez que o relacionamento começou, que existe um lar, eventualmente filhos e um padrão estabelecido de vida, assumimos que o medo de não ser desejado desapareceu.

Longe disso. O medo de não ser desejado continua todos os dias. Podem sempre surgir novas ameaças ao amor.

Só porque fomos amados ontem, nada garante que seremos queridos hoje.

 

Para tentar acalmar as inseguranças devemos instituir um ritual: um beijo de manhã e outro à noite.

 

Mais perniciosamente, se nos deixarmos infectar pelo medo, podemos adoptar uma posição defensiva onde, porque assumimos que não somos desejados, começamos a comportar-nos com uma certa indiferença, o que encoraja o parceiro a agir da mesma forma.

Duas pessoas que são, no fundo, muito bem-dispostas uma com a outra podem entrar num ciclo de negação de que precisam do outro, porque assumem cautelosa e preventivamente que a outra pessoa não as quer mais.

Para tentar acalmar esses medos e ciclos de indiferença, devemos instituir um ritual, aparentemente pequeno, mas de facto crucial nas nossas vidas: um beijo de manhã e outro à noite.

Todas as manhãs, antes de sair, não importa o quanto estamos com pressa, devemos dar um ao outro um beijo nos lábios, por pelo menos sete segundos, o que é – na realidade – um tempo muito estranhamente longo.

Inclinem-se sobre o companheiro, não pensem nas muitas coisas que têm que fazer nas próximas horas. Simplesmente concentrem-se na sensação da boca dele na sua, sinta o nariz contra a pele dele.

Não parem abruptamente no final: continuem a olhar um para o outro por mais alguns momentos e sorriam. O mesmo deve ser repetido todas as noites aquando do regresso a casa.

 

Somos criaturas sensuais; precisamos do contacto físico.

 

Quando beijamos, estamos a entrar num canal fundamental de conexão emocional. O contacto físico íntimo afecta-nos de uma forma que é distinta e, em muitos aspectos, superior a palavras.

Somos criaturas sensuais pelo menos no mesmo grau em que somos racionais: um sorriso ou uma carícia pode, portanto, tranquilizar-nos muito mais profundamente do que um eloquente “amo-te muito”.

Em bebés, fomos serenados pelo toque muito antes de podermos entender a linguagem, e, portanto, continuamos a precisar de contacto físico para acreditar, verdadeiramente acreditar, que temos um lugar na vida da outra pessoa.

Normalmente, um beijo surge de um sentimento de ternura: primeiro temos uma emoção e depois a sua expressão.

Mas há outra forma das nossas mentes poderem trabalhar; uma maneira na qual um sentimento surge a seguir a uma acção.

 

Quando beijamos, estamos a entrar num canal fundamental de conexão emocional.

 

O beijo da manhã e da noite deve vir primeiro, independentemente de haver ou não uma emoção de ternura.

Então, é quase certo, se continuarmos com o beijo, a emoção surgirá (é muito difícil beijar e não sentir nada).

O beijo da manhã e da noite deve ser um ritual.

Uma característica básica dos rituais é que os fazemos, quer tenhamos vontade de praticá-los ou não.

O beijo deve acontecer mesmo que você tenha tido um desaguisado com o parceiro e estiver ressentido, ou se estiver com pressa para uma reunião importante. Melhores sentimentos se seguirão.

Quando saímos de casa a caminho do trabalho, em vez de questionarmos se nos esquecemos das chaves ou do carregador do telemóvel, devemos sempre perguntar se fizemos uma coisa muito mais importante e amorosa: se trocamos um beijo de sete segundos.

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

a partir de Alain de Botton

Síndrome do Cólon Irritável Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Síndrome do Cólon Irritável

A síndrome do cólon irritável, também conhecida por colite nervosa, é uma doença do intestino que gera uma quantidade …

Intimidade Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Intimidade

Duas pessoas só podem construir um verdadeiro sentimento de intimidade a partir da riqueza da experiência interior de cada …

O Medo de Ser Mau na Cama Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

O Medo de ser Mau na Cama

Em momentos de baixa auto-estima, pode ser difícil evitar o medo de que se possa – e isso pode explicar certos altos …