Mês: <span>Janeiro 2016</span>

inveja

Inveja: a emoção que existe, mas ninguém tem

A inveja é considerada uma emoção secundária e um dos sete pecados mortais. Há sobre ela anedotas, citações, textos inteiros, teses académicas, mas quando se sai à rua parece que ninguém a conhece. Afinal o que é a inveja e por que a temos? E poderá ter um lado bom?

“No jargão chamam-lhe«dor de cotovelo» e não será por acaso. Recentemente, recorrendo à análise de imagens de ressonância magnética, o investigador japonês Hidehiko Takahashi, publicou na revista Science um estudo que mostra que sentir inveja ativa o córtex singulado anterior, a zona cerebral que processa a dor física. Mais, a dor da inveja é tão forte que – concluiu este ano um grupo de investigadores da Bradley University, nos Estados Unidos da América, e da Nanyang Technological University, em Singapura – pode levar a uma tristeza extrema e causar mesmo depressão.”

Tive muito gosto em responder às perguntas da jornalista Sofia Teixeira para a “Notícias Magazine”, podem continuar a ler aqui

Espírito Positivo Pedro Martins psicoterapeuta psicoterapia cancro

A tirania do espírito positivo

Ao ler um artigo no jornal Público – “Cancro:afinal, é permitido chorar”, deparei-me com a expressão: “a tirania do espírito positivo”.

Arregalei os olhos, e disse: “Finalmente!”

“O espírito positivo não é o remédio universal para todos os males.”

Para bem de todos, e neste caso, para os doentes com cancro, cai por terra a ideia de que o espírito positivo é o remédio universal para todos os males.

É muito provável que os primeiros (naturais e compreensíveis) sentimentos após um diagnóstico de cancro, sejam de medo, de injustiça, de revolta e de raiva. “Porquê a mim?!” Não muito distante, deve andar a tristeza.

Pode ser que esteja enganado, que esteja só a falar por mim. Pode ser que eu seja um pessimista e por isso não consiga ver o sol a brilhar quando inesperadamente se abre uma janela para a escuridão.

É muito importante reconfortar alguém que está num grande sofrimento, independentemente, da forma.

Mas se conseguirmos fazer sentir ao outro que estamos disponíveis, resistir-mos às frases feitas, e dermos espaço ao outro para lidar com a sua dor, estamos a ser uma enorme ajuda.

Se já reconfortou alguém, usando alguma frase feita, não se preocupe, não é considerado um “tirano do espírito positivo”.

Para ser um verdadeiro “tirano”, precisa fazer sentir ao outro que os ditos “sentimentos não positivos” são maus, que lhe fazem mal, e se não os tivesse, com certeza, a sua vida seria melhor.

“A tirania do espírito positivo”, que se tenta eliminar na oncologia está profundamente enraizada e tem ferozes defensores, a maioria, impossibilitados de serem “honestos” com o que estão a sentir.

O nosso papel é ajudar o outro a construir uma narrativa sobre a sua dor, e dessa forma libertá-lo da tirania do espírito positivo.

A Defesa Psíquica - Pedro Martins - Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

A Defesa Psíquica

O processo defensivo, ou simplesmente defesa, é um processo de adaptação à realidade social; processo que – pelo seu …

Quão bons foram os seus pais?Pedro Martins Psicoterapeuta / Psicólogo Clínico

Quão bons foram os seus pais?

Estranhamente, parece que nenhum ser humano pode crescer realmente saudável, a não ser que tenha sido amado muito profundamente …

A Insónia Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

A Insónia

As perturbações do sono são um fenómeno frequente nas doenças de natureza emocional; a mais frequente de todas essas …