Mês: Abril 2020

Por que é tão difícil parar de consumir álcool e drogas Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Por que é tão difícil parar de consumir álcool e drogas?

Estar sobre o efeito de drogas pode permitir o aparecimento de partes de si que estão escondidas.

 

Os programas de tratamento de dependências têm uma taxa de insucesso alarmante, frequentemente atribuída aos poderosos efeitos químicos das drogas e do álcool.

No entanto, muitos consumidores nunca se tornam viciados – mesmo após um consumo prolongado.

Uma das razões pelas quais algumas pessoas recaem repetidamente é que, para elas, estar sobre o efeito de drogas permite-lhes expressar sentimentos que estão fora da consciência quando estão sóbrios.

Este aspecto é frequentemente negligenciado nos programas de tratamento: na sua luta para estarem sóbrios os toxicodependentes não só sentem falta de estarem “pedrados”, como também da forma como a substância facilita que partes despojadas do “eu” se possam exprimir.

 

O que são Partes Despojadas do Eu?

À medida que a nossa identidade se desenvolve, tendemos a sentir-nos mais confortáveis na expressão de certas partes de nós próprios-emoções e menos confortáveis com outras.

Na nossa cultura a expressão da agressividade é favorecida aos homens; já a vulnerabilidade não é muito bem vista.

Isto não significa que os homens não se sintam vulneráveis, mas não tomam muita consciência disso.

Uma pessoa criada numa família em que a agressividade não é bem aceite pode ter a tendência de negar sentimentos de zanga e de raiva, e comportar-se como se nada a atingisse.

O que acontece aos sentimentos que estamos relutantes em reconhecer?

Bem, eles não desaparecem simplesmente; ficam fora da consciência e muitas vezes não sabemos que eles continuam lá. Estas são as partes despojadas do Eu.

 

Estar sobre o efeito de drogas permite a expressão das partes despojadas do Eu

As drogas e o álcool podem libertar as nossas inibições, permitindo-nos expressar partes de nós próprios; sentimentos que normalmente escondemos.

 

Estar sobre o efeito de drogas facilita a expressão de sentimentos

 

Pense no cliché do homem macho que depois de uma “noite de copos” fica com os olhos em lágrimas, abraça o seu melhor amigo e diz-lhe o quanto gosta dele.

Neste cenário, a bebida permite a expressão de sentimentos que normalmente residem fora da consciência.

A pesquisa sobre o uso médico de várias drogas como a Ketamina, o LSD e o MDMA procura saber como estas drogas permitem o acesso a partes da personalidade que, de outra forma, estariam “sequestradas”.

Quando estes medicamentos são administrados num contexto terapêutico, ajudam as pessoas a compreender e a integrar partes do seu Eu que, de outra forma, seriam despojadas.

 

Beatriz

Beatriz é uma médica de sucesso que dedica muitas horas a tratar os seus pacientes.

Em casa, é a “pessoa de referência” para a sua família alargada; sempre que os seus familiares têm alguma dificuldade é a ela que recorrem para obter conselhos.

Quando está sóbria, Beatriz orgulha-se do seu importante papel na família, embora deseje secretamente ficar sozinha a ler um bom livro.

Quando bebe, Beatriz já não tem de assumir o papel da “forte”. À noite costuma ligar aos amigos e fica ao telefone com eles durante horas.

Diz-lhes como se sente sozinha e que não há ninguém que se preocupe e olhe por ela.

Quando está embriagada, Beatriz é capaz de expressar o seu anseio e desejo de ser cuidada.

Quando bebe consegue chorar por sentir-se sozinha, e pode sentir pena de ter crescido numa família onde era a mais velha de seis irmãos, e onde a mãe não chegava para todos.

 

O consumo de substâncias pode libertar as nossas inibições, permitindo-nos expressar partes de nós próprios

 

Sóbria, ela não tem acesso a esses sentimentos. Quando dizem a Beatriz sobre o que se conversou quando estava bêbeda, ela não se lembra.

 

Miguel

Miguel é um profissional de sucesso a trabalhar numa das empresas mais competitivas do seu ramo.

Ele está numa relação de “começa-acaba” com a sua namorada Joana.

Quando Miguel está sóbrio expressa com frequência o seu amor por Joana.

Embora esteja consciente da sua insatisfação em relação à entrega emocional da namorada, ele não se queixa.

Devido ao medo de ser abandonado, evita começar uma discussão.

A discórdia na casa dos pais de Miguel acabou por levar à dissolução do casamento.

Quando Miguel está sobre o efeito de uma combinação de álcool e marijuana, consegue facilmente expressar o seu descontentamento com a relação.

De volta ao medo de perder a Joana, ele desconsidera as partes zangadas e insatisfeitas de si mesmo.

Ele é incapaz de expressar as suas legítimas preocupações quando está sóbrio, uma altura em que seria mais capaz de ter uma discussão construtiva.

 

Para onde vamos a partir daqui

Apesar das repetidas tentativas de parar de consumir, Beatriz e Miguel caem frequentemente no mesmo.

Na terapia tentam “aprender” a tolerar sentimentos desconfortáveis.

Em vez de rejeitarem estas partes de si mesmos como sendo apenas “confusas”, têm de perceber que os seus sentimentos são legítimos – de facto, são aspectos muito importantes de quem eles são.

Se conseguirem encontrar uma forma de expressar as partes escondidas e despojadas de si próprios quando estão sóbrios, poderão mais facilmente sustentar a sobriedade.

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

A partir de: Why Drugs and Alcohol Can Be So Hard to Quit – David Braucher

O Coronavírus gera dois tipos de Ansiedade Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

O Coronavírus gera dois tipos de Ansiedade

Coronavírus: Como saber onde acaba o medo realista e começa o terror irrealista.

 

As nossas ansiedades sobre a epidemia do Coronavírus dividem-se em dois tipos – uma muito razoável, outra irracional e potencialmente prejudicial.

É importante poder diferenciá-las como forma de nos sentirmos melhor.

 

Medos Razoáveis vs. Terror Irrealista

Os receios razoáveis fazem perguntas reais e, por conseguinte, têm soluções racionais. A descoberta dessas respostas faz-nos sentir melhor.

Os medos irrealistas ou irracionais são muitas vezes baseados em memórias de infância ou traumas que ainda vivem dentro de nós, por vezes inconscientemente.

Identificar essas experiências passadas e compreender que já não estamos desamparados pode ser uma forma eficaz de nos tranquilizarmos.

Os medos realistas são fáceis de detectar. “Não vou conseguir pagar a renda de casa por estar sem trabalhar?” “O que fazer se ficar doente?”

O outro tipo de medo não é tão fácil de definir, o que é, em parte, o que o torna mais poderoso.

No momento actual podemos falar de receios de que a civilização se desmorone; que se verifique um contágio generalizado como a radiação após um ataque nuclear.

Este tipo de medo é geralmente irrealista, quase sobrenatural. Serem irrealistas, porém, não os torna menos poderosos. Se não forem reconhecidos, podem levar ao pânico.

 

As Memórias Influenciam os Nossos Medos

Quando as pessoas exploram os seus medos mais profundos e irrealistas, lembram-se frequentemente de medos de há muito tempo atrás, de monstros debaixo da cama ou no armário.

Os nossos medos adultos e irracionais lembram-nos do tempo em que estávamos verdadeiramente indefesos. Como crianças, não temos os mesmos mecanismos que os adultos têm para lidar com os medos.

 

Os receios razoáveis fazem perguntas reais e, por conseguinte, têm soluções racionais.

 

Existem superstições e explicações fantásticas a par da nossa descoberta de como o mundo funciona, porque a mente e o cérebro de uma criança ainda se estão a formar.

É por isso que uma criança precisa dos pais para a ajudar a desenvolver formas de lidar com a realidade.

Parte dessa realidade, que é difícil para as crianças lidarem, são os seus próprios sentimentos. Elas precisam dos adultos para as ajudar a processar os sentimentos provocados por certas ondas de emoções.

 

O mundo da fantasia vive em nós como uma memória.

Na verdade, é importante ter uma ligação com a parte inconsciente da nossa mente. É daí que vêm coisas misteriosas e poderosas como o amor, a paixão e a criatividade.

Quem decide de forma lógica por quem se apaixonar? Não se trata de algo lógico, emerge das profundezas de nós mesmos.

No entanto, neste nível fantástico de experiência pode, por vezes, sair o tiro pela culatra.

A humanidade não experimenta uma pandemia há muito tempo, e a forma como os vírus (coronavírus) funcionam ainda parece misteriosa a um certo nível (apesar das explicações dadas pela a ciência).

Parece uma ameaça misteriosa, reminiscente do assustador quarto escuro da nossa infância.

O medo do escuro não foi verdadeiramente compreendido, foi apenas tornado sem sentido à medida que a mente lógica se ia desenvolvendo.

Além disso, esses medos podem reaparecer quando estamos cansados, sob stress, ou confrontados com a incerteza.

 

Acompanhe as notícias, mas não em demasia

Podemos até ser atraídos por experiências horríveis, como quando vemos um filme de terror.

Podemos conhecer detalhes sobre a caracterização de um personagem de um filme de terror e dos efeitos especiais, e ainda assim ficarmos assustados como se a experiência fosse verdadeira.

 

Assistir constantemente a notícias sobre o coronavírus é prejudicial

 

As fontes noticiosas aproveitam este fascínio para se concentrarem constantemente nas piores manchetes.

Raramente os media mostram histórias de esperança, como quantas pessoas recuperaram, ou quando a curva de transmissão infecciosa vai acabar.

Só se deve ver notícias periodicamente para ir acompanhando os acontecimentos. Assistir constantemente aos noticiários não ajuda.

 

Aqui ficam algumas dicas adicionais para se manter realista:

Identifique os seus problemas reais no presente e no futuro próximo, e desenvolva um plano para os solucionar.

Ligue-se às pessoas. É o confiarmos uns nos outros que nos mantém ligados à realidade.

Mantenha-se informado. Encontre fontes de notícias que sejam fiáveis e não alarmistas.

Procure ajuda de um profissional de saúde mental de confiança se a ansiedade ou os receios começarem a ser avassaladores.

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

a partir de: The Two Kinds of Coronavirus Anxiety – Chris Heath

Por que não me ama da forma que eu quero Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Por que não me ama da forma que eu quero?

A verdadeira intimidade requer a rendição à forma como o nosso parceiro nos ama.

 

Quando insistimos em que os nossos parceiros mostrem o seu amor da forma que desejamos, podemos estar a evitar ter uma relação verdadeiramente íntima.

Podemos estar com dificuldade em apreciar a forma como o nosso parceiro expressa o seu amor e nos rendermos ao amor que ele oferece.

É possível que nos sintamos carentes quando os nossos parceiros não conseguem demonstrar o seu amor da forma que nós queremos.

Talvez eles não se lembrem do nosso aniversário, não nos tragam flores ou não cozinhem a nossa refeição preferida. Seria assim tão difícil para eles fazerem as coisas que nós queremos?

Provavelmente é difícil para eles, embora não esteja a dizer que não devam tentar. Mas se nos queixamos do que não estamos a receber sem apreciarmos o que recebemos, estamos a rejeitar uma parte muito íntima deles.

E nós não queremos rejeitá-los! Nós amamo-los. Nós amamos que eles nos amem. Queremos apenas que eles expressem o seu amor de forma diferente – da forma como nós queremos.

A forma como uma pessoa ama pode ser a expressão mais íntima de quem ela é; quando isso não é acolhido, pode ser sentido como uma rejeição profunda.

 

As Nossas Fantasias Sobre o Amor

Crescemos com fantasias de como será encontrar o nosso parceiro de vida. Estas ideias ou fantasias sobre o amor são muitas vezes baseadas nas nossas experiências com o amor, à medida que crescemos nas nossas famílias e na nossa cultura.

A partir da infância, desenvolvemos interacções minuto a minuto com os nossos familiares. A forma como somos amados pelos nossos cuidadores lança as bases para o sentimento de nós próprios em relação aos outros – como nos sentimos amados.

 

A verdadeira intimidade requer o reconhecimento de uma outra pessoa separada, com os seus próprios pensamentos, sentimentos, desejos – e formas de demonstrar amor.

 

À medida que crescemos, observamos como os nossos pais se amam; isto proporciona-nos o nosso primeiro modelo de um amor íntimo e romântico.

Mais tarde, ainda, somos empanturrados de representações culturais do amor: canções de amor, programas de televisão, filmes e afins.

Quando a realidade da nossa relação não coincide com as nossas fantasias, podemos ficar desapontados.

Podemos assumir que estamos com a pessoa errada. Ou podemos duvidar se eles nos amam de todo – afinal, se eles realmente nos amassem não fariam como nós desejamos?!

Há sempre um elemento de fantasia nas relações românticas. O romance envolve-nos no âmago do nosso ser, faz-nos recuar até à infância, por isso vai despertar algumas coisas bastante irracionais.

Mas se quisermos uma verdadeira intimidade, ela não será encontrada com alguém que preenche as nossas fantasias ou se encaixe nas nossas ideias de um parceiro “ideal”.

A verdadeira intimidade requer o reconhecimento de uma outra pessoa separada, com os seus próprios pensamentos, sentimentos, desejos – e formas de demonstrar amor.

 

Joana e Filipe

Considere este cenário: A Joana queixa-se que o Filipe não mostra o seu amor. Filipe refuta esta observação, enumerando todas as formas como ele mostra o seu amor.

Ele refere todas as vezes que deixou o que estava a fazer para correr em auxílio de Joana, mesmo quando sabia que ela estava apenas a ser hipocondríaca.

Joana concorda que pode sempre contar com ele, mas insiste que ele nunca lhe diz como ela é maravilhosa e como ele a admira.

Joana sempre imaginou encontrar um homem que a achasse bonita e inteligente.

Quando jovem, ela imaginava ser inundada com as palavras gentis e atenciosas que ouvia dos pais, mas desta vez, de um homem encantador. A família de Joana demonstrou o seu amor através palavras.

 

A forma como uma pessoa ama pode ser a expressão mais íntima de quem ela é

 

Joana está com um homem que não é um muito falador – ele prefere demonstrar o seu amor através de acções.

Quando questionada, Joana concorda prontamente que é amada por Filipe, mas continua a sentir esta ausência como uma pedra no sapato, que a faz questionar se Filipe é o homem certo para ela.

 

Intimidade e a Rendição ao Amor

Rendermo-nos à forma como um parceiro nos ama significa que valorizamos o seu ponto de vista – honramos a legitimidade da forma como pretendem que os seus actos ou palavras sejam recebidos.

Qualquer pessoa pode enviar-nos flores ou fazer-nos um elogio sem nos amar. No amor, é a intenção por detrás do acto que importa.

Quando simpatizamos com a perspectiva do nosso parceiro, achando-a tão válida como a nossa, expandimos o nosso sentido do que é aceitável – estamos em mudança.

Quanto mais aprendemos sobre o nosso parceiro e valorizamos a forma como ele vê as coisas, mais as acolhemos e maior é o nosso sentido de intimidade.

A rendição à forma como o nosso parceiro ama não nos diminui; não abandonamos a nossa própria perspectiva. O amor é aditivo – experimentamos o crescimento ao expandir o nosso sentido do que significa ser amado.

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

A partir de: Why Doesn’t My Partner Love Me the Way I Want? – David Braucher

 

Rebelião e Desobediência nos Adolescentes Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Rebelião e Desobediência nos Adolescentes

Por que é que os adolescentes discutem tanto e como é que os pais devem reagir?

À medida que os pré-adolescentes entram na adolescência, expande-se a sua capacidade de raciocinar como um adulto e de fazer escolhas.

Ao mesmo tempo, entram no período de “separação-individuação” e de formação de uma “identidade adulta independente”. Ambas as tarefas podem levar a uma enorme frustração e angústia dos pais.

Segundo Nadine Medlin:

“A separação-individuação psicológica é o processo pelo qual o jovem adulto renegoceia a relação com os pais.

A resolução da crise de identidade envolve a síntese do passado e do presente, uma vez que o adolescente se reintegra de tal forma que permite que o jovem adulto assuma o seu lugar na sociedade.

Ambos os processos são uma parte vital do impulso para um ajustamento pessoal saudável.”

Para concretizar estas tarefas com sucesso, muitos adolescentes iniciam discussões com os pais, muitas vezes por razões triviais.

Isto pode ser especialmente instigador para os adultos, uma vez que não parece existir nenhuma razão por detrás das querelas que ocorrem.

As tentativas de raciocinar com o adolescente quase sempre acabam em fracasso.

Isto tem a ver com as origens do argumento, que se relacionam com o adolescente desenvolver duas competências:

– Afinar as suas capacidades verbais para expressar o seu ponto de vista

– Fazer entender que se trata de um adulto que pode tomar decisões independentes sobre a sua vida

Nenhum deles tem, necessariamente, nada a ver com a resolução de problemas ou conflitos, que tendem ambos a ser o centro das atenções dos pais.

 

Forçar o adolescente a fazer a escolha “correcta” raramente funciona e quase sempre resulta em confrontação.

 

Aceitar que a discussão que está a ter com o seu adolescente é uma actividade necessária pela qual eles têm que passar é muito difícil para uma grande parte dos pais, uma vez que não queremos que eles repitam os erros que cometemos enquanto adolescentes.

Queremos transmitir a nossa experiência, as frustrações que tivemos de suportar nas nossas próprias vidas para alcançar algo.

No entanto, cometer erros de mau julgamento faz parte do nosso crescimento; a função dos pais é tentar impedir que as decisões afectem permanentemente a forma como a vida se desenrola.

Tentar forçar o adolescente a fazer a escolha correcta raramente funciona e quase sempre resulta em confrontação.

As proibições categóricas que funcionavam com crianças mais novas tendem a cair em saco roto com os adolescentes.

Digamos, por exemplo, que o seu filho quer ir a uma festa na casa de um amigo onde os pais estão fora durante o fim-de-semana.

Declarações morais vagas, como “ainda arranjas problemas” ou “algo mau pode acontecer”, não são aceitáveis para o adolescente.

É necessário que os pais pensem através dos seus próprios sentimentos de mal-estar antes de responderem.

O que é que realmente receia que ocorra na casa da outra pessoa? Vai haver bebidas ou drogas? Serão estes receios apenas um reflexo da sua própria adolescência?

Quando você percebe o que realmente o incomoda e em que medida isso diz respeito à sua própria adolescência, então a honestidade é aconselhada.

Diga claramente quais são as suas preocupações morais e por que razão não dará autorização ao seu filho para fazer algo, mas esteja ciente de que isso não significa que haverá uma obediência inquestionável.

 

A função dos pais não é impedir que os filhos adolescentes comentam erros, mas impedir que os erros os afectem de forma permanente.

 

Muito provavelmente haverá protestos tais como “Bem, eu não sou você” ou “Você simplesmente não entende!”

No entanto, se você deu explicações fundamentadas e lógicas que são consistentes com as suas crenças pessoais, então é muito mais provável que o adolescente assinta no cumprimento da sua decisão.

Mesmo que o adolescente argumente para “salvar a face”, aceitará a proibição a um nível mais profundo.

Se usar um tom de voz calmo, tiver considerado os desejos e argumentos do seu filho, e os princípios subjacentes à sua decisão forem consistentes com os valores morais da família, estas coisas são normalmente muito mais importantes do que as próprias palavras.

Lembre-se de que o que você deseja que o adolescente retire da discussão é o processo de tomada de decisão que foi seguido.

É isto que será recordado muito depois de a festa ou outra fonte de discussão ter sido esquecida.

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

A partir de: “Rebellion and Defiance in Adolescents” – James A. Powell

Imagem de Michael-Pouteyo

Realismo Romântico - Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

“Realismo Romântico”

“Realismo romântico” – Sete regras para evitar uma separação   Esperamos que o amor seja a fonte …

Porque as pessoas são más. Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Por que é que as pessoas são más?

Por que é que as pessoas são más? Maldade – origem e reprodução Algumas crianças não são muito simpáticas para …

Por que é tão difícil parar de consumir álcool e drogas Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Por que é tão difícil parar de consumir álcool e drogas?

Estar sobre o efeito de drogas pode permitir o aparecimento de partes de si que estão escondidas.   Os programas de …