Blog

Psicoterapia

Adoecer Mentalmente. Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

Adoecer Mentalmente

Adoecer Mentalmente: Durante bastante tempo podemos conseguir lidar suficientemente bem com as coisas.

Conseguimos ir trabalhar todas as manhãs, falamos das coisas agradáveis das nossas vidas aos amigos e divertimo-nos durante um jantar.

Não somos completamente equilibrados, mas há poucas maneiras de saber que as coisas são igualmente difíceis para as outras pessoas, e o que temos direito de esperar em termos de contentamento e paz de espírito.

Provavelmente, dizemos a nós próprios para deixarmos de ser auto complacentes e redobrarmos os nossos esforços para nos sentirmos bem, e nos valorizarmos através das nossas realizações.

Presumivelmente, somos especialistas mundiais em não sentir compaixão por nós próprios.

Nós podemos passar décadas nisto.

Não é raro que as condições mentais mais graves permaneçam sem diagnóstico durante muito tempo.

Simplesmente não notamos que por baixo da superfície estamos mentalmente doentes: cronicamente ansiosos, com uma enorme autoaversão e muito perto do desespero e de uma raiva avassaladora.

Isto também acaba, simplesmente, por ser sentido como normal.

Até que um dia, expectavelmente, algo desencadeia um colapso.

Pode ser uma crise no trabalho, uma inversão nos nossos planos de carreira ou um erro que cometemos.

Pode ser uma desilusão amorosa, alguém que nos deixa, ou uma percepção de que estamos profundamente insatisfeitos com um parceiro com quem pensávamos ficar.

Sentimo-nos misteriosamente exaustos e tristes, a ponto de já não conseguirmos enfrentar nada, nem mesmo uma refeição em família ou uma conversa com um amigo.

Podemos ser atingidos por uma ansiedade incontrolável em torno dos desafios diários, como falar com os nossos colegas de trabalho ou ir a uma loja.

Ficamos atolados numa sensação de desgraça e de catástrofe iminente.

Estamos mentalmente doentes e, com sorte, saberemos erguer imediatamente a bandeira branca e rendermo-nos

 

A nossa doença está a tentar chamar à atenção para os nossos problemas, mas só o pode fazer de forma desarticulada, apresentando sintomas grosseiros e vagos. Diz-nos que estamos preocupados e tristes, mas não nos pode dizer com o quê e porquê.

 

Não há nada de vergonhoso ou raro no nosso estado; adoecemos, como tantos outros antes de nós.

Não é preciso agravar a nossa doença com um sentimento de vergonha.

Isto é o que acontece aos humanos perante as condições dolorosas, alarmantes e sempre incertas da existência.

A recuperação pode começar no momento em que se admite que já não se tem a menor ideia de como lidar com a doença.

As raízes da crise remontam, quase de certeza, a um tempo distante.

As coisas não terão estado bem em certas áreas durante muito tempo, possivelmente, desde sempre.

Provavelmente, passámos por graves insuficiências nos primeiros tempos.

Disseram-nos e fizeram-nos coisas que nunca deveriam ter ocorrido, e momentos de tranquilidade e cuidado que foram desafortunadamente perdidos.

Para além disto, a vida adulta terá apresentado dificuldades para as quais não estávamos bem equipados para suportar.

 A nossa doença está a tentar chamar à atenção para os nossos problemas, mas só o pode fazer de forma desarticulada, apresentando sintomas grosseiros e vagos.

Diz-nos que estamos preocupados e tristes, mas não nos pode dizer com o quê e porquê.

Esse será o trabalho de investigação do paciente, ao longo de meses ou anos, provavelmente, na companhia de um psicoterapeuta.

A doença contém a cura, mas tem de ser explorada e a sua desarticulação original tem de ser interpretada.

Algo do nosso passado clama por ser reconhecido – e não nos deixará em paz até que lhe tenhamos dado o devido valor.

Em certos momentos pode parecer-nos uma sentença de morte, mas é-nos dada, através da crise, uma oportunidade para finalmente ousarmos ouvir o que a nossa dor nos tenta dizer, e de recomeçarmos as nossas vidas numa base mais compassiva e realista.

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

a partir de: Falling mentally ill – Alain de Botton

Adoecer Mentalmente. Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

Adoecer Mentalmente

Adoecer Mentalmente: Durante bastante tempo podemos conseguir lidar suficientemente bem com as coisas. Conseguimos ir trabalhar …

O Perfeccionismo - Pedro Martins Psicólogo Clínico / Psicoterapeuta

O Perfeccionismo

Segundo Stoeber (2014), o perfeccionismo é caracterizado por padrões de exigência extremamente elevados, acompanhado por …

Rutura e Reparação - Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

Rutura e Reparação

Muitas tensões nos relacionamentos podem ser úteis se olhadas à luz de um conceito muito empregue em psicoterapia: ‘Ruptura’ …