Etiqueta: <span>amizade</span>

Eu Achava que a Estava a Ajudar Pedro Martins Psicoterapeuta

Eu achava que a estava a ajudar, mas…

Uma grande amiga minha perdeu o pai há uns tempos. Encontrei-a sentada sozinha num banco, junto ao nosso local de trabalho, sem se mexer, apenas a olhar para o horizonte.

Ela estava devastada. Eu queria ajudar mas não sabia o que lhe dizer. É tão fácil dizer a coisa errada a alguém que está vulnerável e em sofrimento.

Então, comecei a falar sobre como cresci sem pai. Disse-lhe que o meu pai se tinha afogado num submarino quando eu tinha apenas 9 meses de idade e que me custava muito a sua perda, mesmo que eu nunca o tivesse conhecido.

Eu só queria que ela percebesse que não estava sozinha, que eu tinha passado por algo parecido e que podia entender como ela se sentia.

Mas depois de ter relatado essa história, a minha amiga olhou para mim e disse: “Ok, Celeste, ganhaste. Tu nunca tiveste um pai e eu pelo menos consegui passar 30 anos com o meu. Foi pior para ti. Eu acho que não deveria estar tão chateada com a morte do meu pai.”

Fiquei atordoada e mortificada. A minha reacção imediata foi defender-me. “Não, não, não”, disse, “não é isso que estou a dizer. Eu só quis dizer que sei como tu te sentes.”

E ela respondeu: “Não, Celeste, tu não sabes. Tu não tens ideia de como eu me sinto.”

Ela afastou-se e eu fiquei ali impotente vendo-a a ir embora e a sentir-me me como uma idiota. Eu tinha falhado totalmente à minha amiga.

Eu queria consolá-la e, em vez disso, a fiz sentir pior. Naquele momento, eu ainda sentia que ela me tinha entendido mal.

Pensei que ela estava num estado muito frágil e me tinha atacado injustamente quando eu estava apenas a tentar ajudar.

 

Daquele dia em diante, comecei a perceber com que frequência respondia a histórias de perda e sofrimento com histórias das minhas próprias experiências.

 

Mas a verdade é que ela não me entendeu mal. Ela entendeu o que estava a acontecer, talvez melhor do que eu.

Quando ela começou a compartilhar os seus sentimentos senti-me desconfortável.

Eu não sabia o que dizer, então passei para um assunto com o qual estava confortável: eu mesma.

Eu posso ter tentando empatizar, pelo menos a um nível consciente, mas o que realmente fiz foi desviar o foco da sua angústia e voltar a atenção para mim.

Ela queria falar comigo sobre o seu pai, contar-me sobre o tipo de homem que ele era, para que eu pudesse apreciar plenamente a magnitude da sua perda.

Em vez disso, pedi a ela que parasse por um momento e ouvisse minha história sobre a morte trágica do meu pai.

Daquele dia em diante, comecei a perceber com que frequência respondia a histórias de perda e sofrimento com histórias das minhas próprias experiências.

Quando uma colega de trabalho foi demitida, eu contei-lhe o quanto eu me esforcei para encontrar um emprego depois de ter sido despedida anos antes.

Mas quando comecei a prestar mais atenção à forma como as pessoas reagiam às minhas tentativas de empatizar, percebi que o efeito de compartilhar as minhas experiências nunca foi aquele que eu pretendia.

 

Ela não precisava de conselhos ou das minhas histórias. Ela só precisava que eu a ouvisse.

 

O que todas essas pessoas precisavam era que eu as ouvisse e reconhecesse o que elas estavam a sofrer. Em vez disso, forcei-os a ouvirem-me.

Hoje em dia, tento estar mais consciente do meu instinto de compartilhar histórias e falar de mim mesma.

Tento fazer perguntas que incentivem a outra pessoa a continuar e fiz um esforço consciente para ouvir mais e falar menos.

Recentemente tive uma longa conversa com uma amiga minha que estava a passar por um divórcio. Passamos quase 40 minutos ao telefone e eu mal disse uma palavra.

No final do telefonema, ela disse: “Obrigada pelo teu conselho. Realmente ajudaste-me a resolver algumas coisas.”

A verdade é que realmente não lhe dei nenhum conselho; a maior parte do que eu disse foi uma versão de “Isso não parece nada fácil. Sinto muito que isso esteja a acontecer contigo.”

Ela não precisava de conselhos ou das minhas histórias. Ela só precisava que eu a ouvisse.

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

A partir de: The Mistake I Made With My Grieving Friend – Celeste Headlee

Podemos ser só amigos? Pedro Martins Psicoterapeuta

Não Podemos Ser Só Amigos?

Uma das coisas mais docemente amarga de ouvir; dita carinhosamente no final de uma longa e divertida noite, é a proposta de que devemos, afinal, permanecer “apenas bons amigos”.

Tomamos a proposta para uma amizade como sinónimo de uma ofensa, porque a nossa cultura romântica tem continuamente, e desde tenra idade, deixado uma coisa muito clara para nós:

O amor é o propósito da nossa existência; a amizade é o insignificante prémio de consolação.

Deveríamos reflectir um pouco sobre alguns aspectos relacionados com o amor:

– o comportamento, o nível de satisfação e o estado de espírito dos próprios amantes.

Se fôssemos julgar o amor, principalmente, pelos impactos, pela quantidade de lágrimas, pelas enormes frustrações, pela crueldade das ofensas que se desdobram em seu nome, não continuaríamos a avaliá-lo da mesma forma, e, poderíamos até confundi-lo com um transtorno mental.

 

A amizade é o insignificante prémio de consolação.

 

As cenas que tipicamente se desenrolam entre os amantes dificilmente seriam imagináveis ​​noutras relações.

Honramos aqueles que amamos com o nosso pior humor, com as acusações mais injustas e com os insultos mais malignos.

É para os nossos amantes que dirigimos a culpa por tudo o que deu errado nas nossas vidas.

Esperamos que eles saibam tudo o que queremos dizer sem nos preocuparmos em explicar.

É aos seus pequenos erros e mal-entendidos que respondemos com indignação e raiva.

E, em comparação, é na amizade, um estado supostamente inferior, cuja alusão no final de um encontro nos esmaga, que mostramos as nossas maiores e nobres virtudes.

Na amizade somos pacientes, encorajadores, tolerantes, divertidos e, acima de tudo, gentis.

Esperamos um pouco menos e, portanto, temos uma capacidade enorme de perdoar.

Não presumimos que seremos completamente compreendidos e, assim, aceitamos as falhas de uma forma mais leve e humana.

 

Paradoxalmente são os amigos que nos oferecem o verdadeiro caminho para os prazeres que o romantismo associa ao amor.

 

Não imaginamos que os nossos amigos devam admirar-nos sem reservas e apoiar-nos em qualquer coisa que façamos.

E, por isso, esforçamo-nos e comportamo-nos, agradando a nós mesmos e aos nossos amigos ao longo da vida.

Nós somos, na companhia de nossos amigos, os nossos melhores Eus.

Paradoxalmente é a amizade que nos oferece o verdadeiro caminho para os prazeres que o romantismo associa ao amor.

O facto de isto soar surpreendente é reflexo do quanto limitada a nossa visão quotidiana de amizade se tornou.

Mas a verdadeira amizade é algo mais profundo e digno de regozijo:

– É um espaço no qual duas pessoas podem ter uma noção das vulnerabilidades uma da outra;

– Apreciar as loucuras um do outro sem recriminação;

– Tranquilizar-se mutuamente quanto ao seu valor e acolher as tristezas e as tragédias da existência com delicadeza e carinho.

Colectiva e culturalmente, cometemos um grande erro que acaba por nos deixar mais solitários e mais decepcionados do que seria necessário.

Num mundo melhor, o nosso objectivo principal não deveria ser encontrar um amante especial que substitua todos os outros humanos, mas colocar a nossa inteligência e energia em descobrir e cultivar um círculo de amigos verdadeiros.

No final de uma noite, quem sabe diríamos, a prováveis futuros companheiros, com um sorriso envergonhado, que os convidámos para entrar – sabendo que isso seria uma rejeição dolorosa – ‘Sinto muito, não poderíamos ser apenas… amantes?

O desejo de agradar quando conhecemos alguém - Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

O desejo de agradar

Quando conhecemos alguém por quem nos sentimos atraídos temos o forte desejo de agradar. E, com naturalidade, assumimos …

Déjà Vu - Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

Déjà Vu

Já vos sucedeu terem um “déjà vu”? É aquela sensação obscura duma situação já conhecida. Estamos num …

Do Domínio ao Abuso Narcisista Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

Do Domínio ao Abuso Narcisista

Mães-Filhas – Do Domínio ao Abuso Narcisista Toda a mulher que alcança a condição de mãe vê-se confrontada com …