Blog

Psicoterapia

psicólogo

O segredo da felicidade pode incluir emoções desagradáveis

A pesquisa recente contradiz a ideia de que se deve continuamente procurar prazer para encontrar a felicidade.

De acordo com pesquisas publicadas pela American Psychological Association, as pessoas podem ser mais felizes quando se permitem sentir certas emoções, mesmo que essas emoções sejam desagradáveis, como a raiva ou o ódio.

“A felicidade é mais do que sentir prazer e evitar a dor.”

A felicidade é ter experiências que sejam significativas e valiosas, incluindo as emoções que você acha que são as mais adequadas de se ter “, refere Maya Tamir.

Todas as emoções podem ser positivas nuns contextos e negativas noutros, independentemente de serem agradáveis ou desagradáveis”.

Um estudo multi-cultural que incluiu 2.324 estudantes universitários de oito países: Estados Unidos, Brasil, China, Alemanha, Gana, Israel, Polónia e Singapura, publicado no Journal of Experimental Psychology:

– foi o primeiro a encontrar uma relação entre a felicidade e permitir-se experienciar certas emoções, mesmo quando essas emoções são desagradáveis.

De uma maneira geral os participantes queriam experimentar mais emoções agradáveis do que desagradáveis, mas nem sempre era assim.

Os participantes foram avaliados sobre as emoções que queriam sentir e as emoções que realmente sentiam nas suas vidas.

Também avaliaram a sua satisfação com a vida e os sintomas depressivos.

Os participantes que experimentaram mais as emoções que desejavam sentir apresentavam maior satisfação e menos sintomas depressivos, independentemente de as emoções serem agradáveis ou desagradáveis.

No entanto, são necessárias mais pesquisas para testar se o experienciar das emoções que se desejam sentir realmente influencia a felicidade ou se está meramente associado a ela.

O estudo avaliou apenas um certo número de emoções desagradáveis, que incluem o ódio, a hostilidade, a raiva e o desprezo.

Pesquisas futuras devem testar outras emoções desagradáveis, como o medo, a culpa, a tristeza ou a vergonha, refere Tamir.

Todas as emoções podem ser positivas nuns contextos e negativas noutros.

As emoções agradáveis que foram examinadas no estudo incluíram a empatia, o amor, a confiança, a paixão, o contentamento e o entusiasmo.

Pesquisas anteriores mostraram que as emoções que as pessoas desejam experienciar estão ligadas aos seus valores e normas culturais, mas essas relações não foram examinados directamente nesta pesquisa.

O estudo pode esclarecer as expectativas irrealistas que muitas pessoas têm acerca dos seus próprios sentimentos.

“Nas culturas ocidentais, em particular nos Estados Unidos, as pessoas querem sentir-se constantemente muito bem.

Mesmo que se sintam bem a maior parte do tempo, continuam a pensar que deveriam sentir-se ainda melhor, o que as pode (no geral) tornar menos felizes.

Article: The Secret to Happiness: Feeling Good or Feeling Right?, Maya Tamir, PhD, The Hebrew University of Jerusalem; Shalom H. Schwartz, PhD, The Hebrew University of Jerusalem and National Research University-Higher School of Economics; Shige Oishi, PhD, University of Virginia; and Min Y. Kim, PhD, Keimyung University; Journal of Experimental Psychology: General, published online Aug. 14, 2017.

Realismo Romântico - Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

“Realismo Romântico”

“Realismo romântico” – Sete regras para evitar uma separação   Esperamos que o amor seja a fonte …

Porque as pessoas são más. Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Por que é que as pessoas são más?

Por que é que as pessoas são más? Maldade – origem e reprodução Algumas crianças não são muito simpáticas para …

Por que é tão difícil parar de consumir álcool e drogas Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Por que é tão difícil parar de consumir álcool e drogas?

Estar sobre o efeito de drogas pode permitir o aparecimento de partes de si que estão escondidas.   Os programas de …