Depressão: As Causas e A Cura

A depressão instala-se à medida que se perde o equilíbrio entre o afecto que se dá e aquele que se recebe junto das pessoas com as quais se tem uma ligação afectiva profunda. Esse desequilíbrio continuado leva à diminuição da autoestima e a sentimentos de inferioridade.

São exactamente os sentimentos de inferioridade que impedem a pessoa com depressão de perceber a dinâmica em que está envolvido. É nesse sentido que olha para si (de forma distorcida) e sente que devia fazer mais (ainda mais), porque, provavelmente, o outro não dá porque “eu isto” ou “eu aquilo”.

A energia afectiva despendida neste último folgo para recuperar o amor perdido deixa as reservas afectivas tão em baixo que em vez da pessoa melhorar, a depressão aprofunda-se, a apatia cresce e o interesse pelas coisas e pela vida desaparece.

 

As Causas da Depressão:

– Perda do afecto/amor de alguém significativo ao qual se está fortemente ligado.

– Negação do sentimento de perda.

– Sentimentos de Inferioridade / Baixa auto-estima.

– Sentimentos de culpa e desculpabilização do outro.

 

A cura da depressão passa, em primeiro lugar, pelo reconhecimento da perda do afecto do outro, ou da desigualdade entre aquilo que se dá e aquilo que se recebe – dar muito e receber pouco -. A partir desse momento é possível cortar com essa dinâmica e ir redireccionando para o próprio o afecto.  Desta forma é possível recuperar o investimento afectivo (dado como perdido) no outro.

Ao mesmo tempo que se processa o reinvestimento no próprio, a auto-estima sobe, restaurando um sentimento de confiança para conquistar novos objectivos e novas relações; pois o amor nasce e desenvolve-se na relação com o outro, e só um “verdadeiro amor” pode curar.

É fundamental (voltar a) sentir-se apreciado, reconhecido e amado, porque enquanto  não sentir que é capaz de merecer e atrair o amor do outro, dificilmente ultrapassa o sentimento de inferioridade e a depressão. Só no outro e no seu amor eu me permito “ser” em toda a minha plenitude.

 

A Cura da Depressão:

– Redirecionar o afecto que está dirigido ao outro para o próprio.

– Recuperar o investimento afectivo, ou seja, recuperar a auto-estima.

– Criar um equilíbrio entre o afecto que se dá e o que se recebe.

– Desbloquear e realizar o trabalho de luto.

– Romper com um certo passado e presente num movimento de renovação.

– Reconquistar o amor pela vida, pelas coisas e pelos outros.

 

Woman with pink umbrella

Realismo Romântico - Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

“Realismo Romântico”

“Realismo romântico” – Sete regras para evitar uma separação   Esperamos que o amor seja a fonte …

Porque as pessoas são más. Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Por que é que as pessoas são más?

Por que é que as pessoas são más? Maldade – origem e reprodução Algumas crianças não são muito simpáticas para …

Por que é tão difícil parar de consumir álcool e drogas Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Por que é tão difícil parar de consumir álcool e drogas?

Estar sobre o efeito de drogas pode permitir o aparecimento de partes de si que estão escondidas.   Os programas de …