Depressão: As Causas e A Cura

A depressão instala-se à medida que se perde o equilíbrio entre o afecto que se dá e aquele que se recebe junto das pessoas com as quais se tem uma ligação afectiva profunda. Esse desequilíbrio continuado leva à diminuição da autoestima e a sentimentos de inferioridade.

São exactamente os sentimentos de inferioridade que impedem a pessoa com depressão de perceber a dinâmica em que está envolvido. É nesse sentido que olha para si (de forma distorcida) e sente que devia fazer mais (ainda mais), porque, provavelmente, o outro não dá porque “eu isto” ou “eu aquilo”.

A energia afectiva despendida neste último folgo para recuperar o amor perdido deixa as reservas afectivas tão em baixo que em vez da pessoa melhorar, a depressão aprofunda-se, a apatia cresce e o interesse pelas coisas e pela vida desaparece.

 

As Causas da Depressão:

– Perda do afecto/amor de alguém significativo ao qual se está fortemente ligado.

– Negação do sentimento de perda.

– Sentimentos de Inferioridade / Baixa auto-estima.

– Sentimentos de culpa e desculpabilização do outro.

 

A cura da depressão passa, em primeiro lugar, pelo reconhecimento da perda do afecto do outro, ou da desigualdade entre aquilo que se dá e aquilo que se recebe – dar muito e receber pouco -. A partir desse momento é possível cortar com essa dinâmica e ir redireccionando para o próprio o afecto.  Desta forma é possível recuperar o investimento afectivo (dado como perdido) no outro.

Ao mesmo tempo que se processa o reinvestimento no próprio, a auto-estima sobe, restaurando um sentimento de confiança para conquistar novos objectivos e novas relações; pois o amor nasce e desenvolve-se na relação com o outro, e só um “verdadeiro amor” pode curar.

É fundamental (voltar a) sentir-se apreciado, reconhecido e amado, porque enquanto  não sentir que é capaz de merecer e atrair o amor do outro, dificilmente ultrapassa o sentimento de inferioridade e a depressão. Só no outro e no seu amor eu me permito “ser” em toda a minha plenitude.

 

A Cura da Depressão:

– Redirecionar o afecto que está dirigido ao outro para o próprio.

– Recuperar o investimento afectivo, ou seja, recuperar a auto-estima.

– Criar um equilíbrio entre o afecto que se dá e o que se recebe.

– Desbloquear e realizar o trabalho de luto.

– Romper com um certo passado e presente num movimento de renovação.

– Reconquistar o amor pela vida, pelas coisas e pelos outros.

 

Woman with pink umbrella

As Mães são Sempre as Culpadas? Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

As Mães São Sempre as Culpadas?

“As Mães São Sempre as Culpadas”. Mito ou realidade? O que é que o mito da mãe esquizofrenogénica nos impede de …

Por que a Terapia Funciona Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Por que a Terapia Funciona?

Actualmente a discussão já não anda tanto à volta da eficácia das psicoterapias, mas na razão por que a terapia funciona; …

Procrastinação: dificuldade em gerir tempo ou emoções? Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Procrastinação: dificuldade em gerir tempo ou emoções?

A investigação tem procurado esclarecer se a procrastinação é uma dificuldade em gerir o tempo ou em lidar com as emoções. …