Categoria: Vinculação

vinculação

Os Estudos de Harlow – Vinculação

No seu estudo laboratorial com macacos Rhesus em 1958, Harry Harlow forneceu dados empíricos que apoiavam o trabalho de Bowlby.

Harlow especulou sobre a natureza do amor, sobre as suas variáveis e analisou a teorias contemporâneas.

A posição comummente defendida por psicólogos e sociólogos era a seguinte: Os motivos básicos são, na sua maior parte, os drives primários – particularmente fome, sede, eliminação da dor e sexo – e todos os outros motivos, incluindo o amor ou afecto, são seus derivados ou drives secundários. “A mãe está associada à redução dos drives primários – particularmente fome, sede e dor – e através da aprendizagem, afecto ou amor é seu derivado (…).

No entanto, John Bowlby atribui importância não só à alimentação e satisfação da sede, mas também ao Instinto Primário de Agarrar, uma necessidade de contacto físico íntimo, que é inicialmente associado à mãe.”

Numa das suas experiências, Harlow separou os macacos recém-nascidos das suas progenitoras horas depois do nascimento, e colocou-os num cenário laboratorial que incluía duas “mães substitutas”, ambas equipadas com um biberão. Uma das ‘mães’ tinha sido construída apenas com um rede de metal, e outra possuía um revestimento de pano macio.

A primeira observação de Harlow foi que macacos face à possibilidade de escolha entre as duas mães substitutas passavam consideravelmente mais tempo agarrados à ‘mãe’ de pano, mesmo quando era só a ‘mãe’ de ferro que estava equipada com o biberão. Esta observação sugere a ideia que a relação de afecto/amor, não é uma resposta simples à satisfação de necessidades fisiológicas.

Com o seu trabalho experimental, Harlow mostra claramente que nenhuma recompensa de comida é necessária para a formação de vinculações fortes. Acrescenta ainda, que “os dados retirados desta experiência mostram que o conforto no contacto com a mãe é a variável de maior importância no desenvolvimento de respostas afectivas.

Teoria da vinculação

A influência da vinculação nas relações amorosas

As relações de vinculação na infância apresentam fortes semelhanças com as relações de cariz amoroso na idade adulta, sendo as primeiras prototípicas das últimas.

Ao longo do desenvolvimento do ser humano, a complementaridade de papéis vai dando lugar à reciprocidade, as representações internas vão adquirindo maior relevo e articulação com a manifestação dos comportamentos de vinculação.

A necessidade de presença física, para obtenção de conforto e segurança em situações de adversidade, vai sendo substituída, progressivamente, pela presença simbólica ou pela interacção à distância (Fonseca, Soares, & Martins, 2006).

Os padrões de vinculação manifestados por um adulto dependem de variáveis como:

– a idade, o género e as experiências vivenciadas com as figuras de vinculação nos seus primeiros anos de vida.

Habitualmente, uma relação de vinculação persiste ao longo do ciclo vital do indivíduo.

Muito embora durante a adolescência as vinculações da infância possam atenuar-se ou serem até substituídas por novos vínculos, as primeiras não são facilmente abandonadas, sendo comum persistirem na idade adulta (Bowlby, 1982).

As relações de vinculação na infância apresentam fortes semelhanças com as relações de cariz amoroso na idade adulta.

Assim, uma nova vinculação a outra figura, nomeadamente a um companheiro amoroso, não significa necessariamente que a vinculação às figuras parentais tenha cessado.

Na verdade, verifica-se uma relação causal significativa entre as experiências de um indivíduo com as suas figuras parentais e a sua capacidade para estabelecer vínculos afectivos posteriores.

Assim, o estilo de vinculação construído nos primeiros anos de vida mantém-se e irá moldar o padrão de relacionamentos estabelecidos na adultícia.

A Escala de Vinculação do Adulto (EVA) apresenta resultados consistentes com a teoria de que a qualidade das relações precoces prevê as interacções num contexto amoroso nas suas relações futuras (Dinero, Conger, Shaver, Widaman & Larsen-Rife, 2011).

Mais concretamente, indivíduos categorizados como inseguros revelaram-se mais propensos a exibir emoções negativas e a mobilizar estratégias inadequadas, durante situações conflituosas com um parceiro.

Hazan e Shaver (1987) salientam paralelismos entre as relações de vinculação primárias e as relações amorosas na idade adulta.

Estas efectivam-se na concepção de que na adultícia a relação com o outro poderá constituir-se como promotora de segurança, na medida em que o indivíduo procura proximidade em situações avaliadas como ameaçadoras, recorrendo ao outro para readquirir uma percepção de competência pessoal e uma capacidade de exploração do mundo.

Ao conceptualizarem as relações íntimas como relações de vinculação, Hazan e Shaver identificaram três estilos de vinculação na idade adulta, semelhantes aos de Ainsworth.

O estilo de vinculação construído nos primeiros anos de vida mantém-se e irá moldar o padrão de relacionamentos estabelecidos na adultícia.

Estes designam-se por estilos de vinculação Seguro, Inseguro Ambivalente/Ansioso e Inseguro Evitante, associados a formas distintas de vivenciar o relacionamento amoroso.

Neste sentido, foi elaborado um modelo bidimensional composto por eixos dicotómicos compostos por modelos de si e modelos dos outros.

Da interface destes dois eixos surgem quatro estilos de vinculação, sendo estes Seguro, Inseguro Preocupado, Inseguro Evitante Desligado e Inseguro Evitante Amedrontado.

Indivíduos com estilo de vinculação seguro apresentam modelos positivos de si e dos outros, manifestando baixos níveis de ansiedade e evitamento face à intimidade com o outro.

Estes indivíduos caracterizam-se pela valorização das suas relações íntimas, através de uma capacidade de as manter sem prejuízo da autonomia pessoal, destacando-se uma coerência das narrativas das suas relações.

Por sua vez, indivíduos com um estilo de vinculação inseguro evitante desligado possuem um modelo positivo do self e negativo dos outros, minimizando as suas percepções subjectivas de angústia ou de necessidades sociais, negando defensivamente a necessidade ou o desejo de relacionamentos próximos.

Assim, na regulação emocional e no comportamento interpessoal, manifestam um baixo nível de ansiedade mas um elevado evitamento de proximidade, decorrente das expectativas negativas que têm dos outros.

Mostram ainda um elevado sentido de mérito pessoal, negando o valor das relações íntimas e exacerbando a estima pela independência.

Tanto os indivíduos inseguros preocupados como os inseguros amedrontados detêm um profundo sentido de auto-desmerecimento.

Indivíduos com um estilo de vinculação inseguro preocupado apresentam um modelo negativo do self e positivo dos outros, manifestando uma elevada ansiedade e um baixo evitamento face à proximidade.

Já indivíduos com estilo de vinculação inseguro evitante amedrontado operam através de modelos negativos de si e dos outros.

Encaram-se como não merecedores do amor dos outros, manifestam uma elevada ansiedade e evitamento, mas possuem um desejo consciente de contacto social que é inibido por medos associados às suas consequências.

Ou seja, na regulação emocional e no comportamento interpessoal, são indivíduos que apresentam uma elevada dependência dos outros contudo, devido às expectativas negativas que deles têm, evitam a intimidade para evitarem o sofrimento de uma eventual perda ou rejeição.

Em muitas situações o sujeito não tem consciência de que está a ser manipulado pelas suas experiências passadas.

Os modelos representacionais de figuras de vinculação e do eu que um indivíduo constrói durante a sua infância e adolescência tendem a persistir até e durante a vida adulta.

Esta manutenção das representações de vinculação pode apresentar como consequência uma tendência para apreender uma nova pessoa, com quem pode construir um vínculo afectivo, sustentado num modelo existente, continuando frequentemente apesar de repetidas evidências de que o modelo é inadequado.

Tornando-se cada vez mais desadequado, o indivíduo espera ser percebido e tratado de um modo coerente ao seu modelo do self, permanecendo com tais expectativas apesar de evidências contrárias.

Tais percepções e expectativas distorcidas conduzem a falsas crenças acerca dos outros, falsas expectativas acerca do modo como os outros se comportarão e a atitudes inadequadas, com a intenção de frustrar o comportamento do outro.

A título de exemplo, um sujeito que durante a sua infância foi frequentemente ameaçado de abandono pode precipitadamente atribuir intenções semelhantes ao seu companheiro amoroso.

Assim, interpretará os comportamentos do cônjuge, como o que este diz ou faz, em função dessas intenções que lhe atribuiu e tomará uma iniciativa que julgue ser a mais adequada para enfrentar a situação que acredita existir, permanecendo equívocos e conflitos no seio da relação amorosa.

Em todo este processo, o sujeito não tem consciência de que está a ser manipulado pelas suas experiências passadas, nem de que as suas crenças e expectativas actuais são infundadas.

O conteúdo cognitivo estabelece-se como extremamente relevante na consideração das respostas disfuncionais no seio dos conflitos, considerando que a adesão a crenças irrealistas, especificamente a respeito da natureza dos relacionamentos, é indicadora de um nível de perturbação das relações.

Este post foi composto com excertos do trabalho de Sara Damas:

“Relação entre os Estilos de Vinculação do Adulto, os Esquemas
Precoces Desadaptativos e as Relações Interpessoais.”

As Mães são Sempre as Culpadas? Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

As Mães São Sempre as Culpadas?

“As Mães São Sempre as Culpadas”. Mito ou realidade? O que é que o mito da mãe esquizofrenogénica nos impede de …

Por que a Terapia Funciona Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Por que a Terapia Funciona?

Actualmente a discussão já não anda tanto à volta da eficácia das psicoterapias, mas na razão por que a terapia funciona; …

Procrastinação: dificuldade em gerir tempo ou emoções? Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Procrastinação: dificuldade em gerir tempo ou emoções?

A investigação tem procurado esclarecer se a procrastinação é uma dificuldade em gerir o tempo ou em lidar com as emoções. …