Blog

Psicoterapia

psicoterapia lisboa pedro martins

Porque é que você vai casar com a pessoa errada

É claro que estamos desesperados para evitar isso, mas não o faremos por muito boas razões:

1 – Nós não nos compreendemos bem
Somos todos loucos de maneiras muito particulares: neuróticos, desequilibrados, imaturos… Mas não sabemos bem porque somos assim e ninguém nos encoraja o suficiente para descobrirmos. Os nossos amigos querem ser simpáticos e estão mais virados para se divertirem connosco. Os nossos inimigos não se dão ao trabalho. Então, acabamos por ter um nível muito baixo de auto-conhecimento e não fazemos nenhuma ideia sobre quem possa ser compatível connosco.
A pergunta padrão de um primeiro encontro deveria ser: de que forma tu és louco? Mas é tão difícil saber…

2 – Nós não percebemos as outras pessoas
É difícil aceitar a loucura dos outros como aceitamos a nossa. No início eles mostram, naturalmente, o seu melhor. O ideal seria colocar todo o mundo a realizar uma bateria de testes psicológicos e a fazer 4 anos de terapia individual e de casal antes de tomar uma decisão. Em 2100 esta ideia vai soar a piada – vão perguntar porque a humanidade demorou tanto tempo para chegar aqui.

3 – Não estamos acostumados a sermos felizes
Pensamos que queremos ser felizes, mas o que realmente queremos é aquilo a que estamos acostumados – e isso, no geral, inclui não ser feliz. Ao crescermos muitos de nós tivemos sentimentos sombrios e problemáticos: sentimo-nos controlados, humilhados ou abandonados. Em resumo: sofrimento. E agora, independentemente do que dizemos, na maioria das vezes, continuamos a procurar o conhecido. Isso explica porque rejeitamos os candidatos equilibrados, maduros, confiáveis e, de alguma forma, um pouco “chatos”, e porque nos inclinamos secretamente para aqueles que (inconscientemente sabemos) irão tropeçar nas coisas mais óbvias.

4 – Ser solteiro é péssimo
É preciso ter uma certa tranquilidade num sábado, para lidar com o reboliço da noite e a efervescência do desejo sexual para conseguir ser exigente. Não é por acaso que a maioria de nós fecha os olhos e arranja uma pessoa qualquer.

5 – O instinto tem mais prestígio do que deveria
O casamento era uma decisão racional. Tinha a ver com uma parcela de terra. Tudo era combinado entre as famílias. Era horrivelmente frio e calculista. Agora temos os “casamentos românticos”. É preciso que seja sobre aquilo que sentimos. Não se pode pensar demais. Se paramos para analisar a situação, imediatamente, deixa de ser romântico. Na verdade, a coisa mais romântica seria fazer um repentino pedido de casamento, depois de apenas algumas semanas de relação, numa capela em Las Vegas às 3 da manhã.

6 – Nós não frequentamos “Escolas do Amor”

Nós não temos nenhuma informação. Não temos aulas. Não falamos abertamente com pessoas casadas e evitamos os divorciados. Então avançamos sem saber porque é que os casamentos realmente fracassam – e achamos que é por causa da simples estupidez de todos aqueles casais com quem não temos nada em comum.

7 – Congelar a felicidade
Nós queremos que as coisas boas sejam permanentes… Aquele passeio de gôndola em Veneza com o sol a refletir na água; jantar maravilhosamente num pequeno restaurante, perdidos numa enorme paixão. Então, nós casamos para que esse sentimento dure para sempre. Mas depois tudo se esfuma e a única coisa que fica é o nosso parceiro, mas agora, parece outro.

8 – Você quer parar de pensar no amor
É tão doloroso! A tristeza, os encontros, os envolvimentos de uma noite… Como queremos terminar com tudo isso, acabamos por casar para parar de pensar constantemente no amor.

Estes são os motivos pelos quais você irá casar com a pessoa errada – se já não o fez.

Mas a culpa não é totalmente sua. Ninguém nos ensina. Então, é claro que nos estatelamos.

Nós, como espécie, eventualmente aprenderemos. Esta loucura inconsequente não pode continuar. Muitas pessoas vão magoar-se. Daqui a umas centenas de anos, pelo menos, encontraremos uma forma de resolver isto – com toda a certeza.

Traduzido e adaptado por Pedro Martins
a partir de Alain de Botton

Do Domínio ao Abuso Narcisista Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

Do Domínio ao Abuso Narcisista

Mães-Filhas – Do Domínio ao Abuso Narcisista Toda a mulher que alcança a condição de mãe vê-se confrontada com …

Conquistar o Amor da Mãe Narcisista - Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

Conquistar o Amor da Mãe Narcisista

A criança não para de multiplicar as suas proezas na tentativa de merecer pelos seus dons, o amor da mãe narcisista. Mas …

Personalidade Depressiva - Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

Personalidade Depressiva

Paciente mulher com personalidade depressiva P: Tenho de pensar em mim, preocupar-me/ocupar-me com as minhas coisas. Só …