Blog

Psicoterapia

psicólogo clínico

Os pensamentos patológicos

Para weiss, o que podemos chamar de instrumento operativo para a adaptação à realidade são os “pensamentos”, conscientes e inconscientes, os quais podem ser saudáveis ou patológicos.

Os pensamentos patológicos podem ser erróneos acerca da realidade externa ou sobre si mesmo, e conduzem a atitudes e comportamentos desadaptados da realidade que são fonte de sofrimento para o sujeito e, frequentemente, para quem com ele convive.

Estes pensamentos patológicos formaram-se, quase sempre, em consequência de um comportamento inadequado por parte dos pais, de relações conflituosas no ambiente familiar, por exemplo com os irmãos, ou de outras circunstâncias complexas que o indivíduo não pode assimilar.

Referi comportamento inadequado por parte dos pais porque os pensamentos patológicos não são fruto unicamente da negligência ou maltrato, mas também de um comportamento que origine uma má interpretação da realidade.

Por exemplo, um comportamento muito protector pode induzir na criança o pensamento de não se sentir capacitado para fazer frente a situações difíceis. Uma mãe que sofra de grande ansiedade nos momentos das inevitáveis e quotidianas separações mãe/criança provocará na criança o pensamento de que a separação é má e que deve ser evitada, que a realidade é perigosa, que é responsável pelo sofrimento da mãe, etc.

Adaptado de Joan Coderch
“La prática de la psicoterapia relacional”

Adoecer Mentalmente. Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

Adoecer Mentalmente

Adoecer Mentalmente: Durante bastante tempo podemos conseguir lidar suficientemente bem com as coisas. Conseguimos ir trabalhar …

O Perfeccionismo - Pedro Martins Psicólogo Clínico / Psicoterapeuta

O Perfeccionismo

Segundo Stoeber (2014), o perfeccionismo é caracterizado por padrões de exigência extremamente elevados, acompanhado por …

Rutura e Reparação - Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

Rutura e Reparação

Muitas tensões nos relacionamentos podem ser úteis se olhadas à luz de um conceito muito empregue em psicoterapia: ‘Ruptura’ …