Blog

Psicoterapia

Sobre o Bullying

A palavra “bullying” foi importada do inglês. Refere-se a alguém que usa a força ou o poder para ferir ou intimidar o outro, agindo como um “Bull/Touro”.

À primeira vista, poderíamos ser levados a pensar que se trata apenas da exacerbação de algo que, com as suas nuances, sempre existiu.

No entanto, a certeza de que culturalmente assistimos a uma mudança na família como instituição e nos modos de subjectivação da infância, faz com que tenhamos de pensar a questão de forma mais profunda.

O bullying ocorre habitualmente num contexto que favorece o seu silenciamento, e no qual a vítima, devido à culpa, é levada a acreditar que por alguma razão que ainda não conhece, algo em si é mau o suficiente para merecer tal castigo.

Numa fase em que a psique ainda está em desenvolvimento a influência da culpa não permite que as crianças entendam que aquilo que estão a sofrer tem a ver com uma causa que as ultrapassa.

Este é talvez um dos aspectos mais dolorosos deste tipo de sofrimento – que compartilha aspectos de outras formas de violência exercidas sobre as crianças como o abuso sexual e a violência parental.

Desta forma, a criança fica confusa em relação ao lugar que ocupa perante o outro.

A busca de amor coloca as crianças numa situação de extrema fragilidade, e desta forma numa posição de sujeição ao outro.

Esta profunda desprotecção ocorre, então, numa completa ignorância de que a sociedade é quem deve garantir-lhes os cuidados.

 

No bullying, devido à culpaa vítima, é levada a acreditar que por alguma razão que ainda não conhece, algo em si é mau o suficiente para merecer tal castigo.

 

A “criança imperador” do nosso tempo tem direitos que antes não tinha e é acusada de se exceder no seu exercício.

De qualquer forma, não tem interiorizado quais são os direitos que nunca deveriam ser violados.

Segundo Freud, as questões relacionadas com a construção da moralidade contribuem para o desenvolvimento da cultura, uma vez que o sentimento de culpa promove a inibição dos impulsos primários, que, geralmente consistem em obter prazer, mesmo à custa do outro.

No entanto, os aspectos ligados, essencialmente, à elaboração das condições para se viver em sociedade sem nos andarmos a matar uns aos outros, não fazem parte do código genético humano e, como tal, dependem da criação de certas condições específicas de produção, numa fábrica humana altamente complexa e mutável chamada “família”.

A psicanálise diz-nos que depois de um período claramente definido de subjectividade, que ocorreria entre os 0 e 5/6 anos, surgem, se nada tiver falhado, o que Freud chamou de “diques morais”.

Os “diques morais” referem-se, precisamente, ao aparecimento na criança do pudor, da moralidade, da vergonha e do asco, bem como o desaparecimento concomitante da crueldade.

Mas esse avanço, que claramente dota a criança de credenciais válidas para o vínculo social nem sempre ocorre.

 

A busca de amor coloca as crianças numa situação de extrema fragilidade, e desta forma numa posição de sujeição ao outro.

 

O bullying pode ser visto como uma penetração na subjectividade do outro sem reconhecer limites.

Neste ponto, é interessante pensar em como certos significantes que circulam socialmente contribuem para construir sentidos compartilhados: “Red Bull dá-te asas”, diz o conhecido slogan de uma bebida energética que promete termos o corpo sempre disponível apesar da fadiga.

Desta forma, retorna aqui um significado que é culturalmente fortalecido e que faz referência a que debaixo de certas formas de ser e estar no mundo, essencialmente ligadas ao consumo e ao prazer sem limites, o outro não funciona como um limite diante dos nossos próprios impulsos, neste caso, ante os impulsos do bull-ying.

Este é apenas um dos aspectos ligado ao modo como se dispõe do outro em favor do próprio prazer e seria excessivo desenvolver aqui as condições da sua gestação.

No entanto, podemos dizer que os pilares da constituição subjectiva, denominados função materna e paterna e dos recursos psicológicos da família, estão na base da criança ser capaz de aceitar o diferente, suportar a alteridade, reconhecer que o desejo é inevitavelmente condicionado pelo outro.

 

Que tipo de autoridade é exercida pelas instituições se uma mãe pode bater na professora por esta ter criticado o comportamento do filho?

 

Entendemos, então, que o ser humano não só nasce sem poder andar ou alimentar-se sozinho, mas também necessitado de apoio para se desenvolver psiquicamente. A presença estável, sólida e afectuosa de pessoas que ocupam os papéis materno e paterno são fundamentais.

No bullying, a falha na construção da auto-estima, e do outro como alguém que se deve cuidar e respeitar é evidente tanto para a criança que agride como para o que é agredida.

O primado do impulsivo sem a mediação da palavra é então um efeito do enfraquecimento gradual da função de autoridade dos pais do nosso tempo.

Assistimos a uma versão social do pai desautorizado, que não se autoriza a si mesmo.

Além do mais, muitas vezes acaba por confundir a lei com a censura, e autoridade com autoritarismo.

Noutras palavras, a autoridade de um pai é constituída na medida em que o seu filho reconhece a sua palavra por admirar o seu conhecimento e não por temê-lo.

Dito isto, seria ingénuo considerar o problema do bullying isolado de outras manifestações que têm um significado semelhante.

Que tipo de autoridade é exercida pelas instituições se:

– Uma mãe pode bater na professora por esta ter criticado o comportamento do filho?

– Um dos pais puder bater noutra criança que anteriormente bateu no seu filho?

Tendo em mente, que o bullying não corresponde a um conflito localizado, mas sim a uma falha sistémica, a complexidade que este conflito envolve actualmente confronta-nos com a questão da responsabilidade que nos cabe como adultos.

Se as crianças são os touros, então, devemos evitar ir para a frente delas com uma capa vermelha.

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

a partir de: Sobre el Bullying – Gerado Quiess

 

Do Domínio ao Abuso Narcisista Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

Do Domínio ao Abuso Narcisista

Mães-Filhas – Do Domínio ao Abuso Narcisista Toda a mulher que alcança a condição de mãe vê-se confrontada com …

Conquistar o Amor da Mãe Narcisista - Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

Conquistar o Amor da Mãe Narcisista

A criança não para de multiplicar as suas proezas na tentativa de merecer pelos seus dons, o amor da mãe narcisista. Mas …

Personalidade Depressiva - Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

Personalidade Depressiva

Paciente mulher com personalidade depressiva P: Tenho de pensar em mim, preocupar-me/ocupar-me com as minhas coisas. Só …