Etiqueta: dependência

Por que é tão difícil parar de consumir álcool e drogas Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Por que é tão difícil parar de consumir álcool e drogas?

Estar sobre o efeito de drogas pode permitir o aparecimento de partes de si que estão escondidas.

 

Os programas de tratamento de dependências têm uma taxa de insucesso alarmante, frequentemente atribuída aos poderosos efeitos químicos das drogas e do álcool.

No entanto, muitos consumidores nunca se tornam viciados – mesmo após um consumo prolongado.

Uma das razões pelas quais algumas pessoas recaem repetidamente é que, para elas, estar sobre o efeito de drogas permite-lhes expressar sentimentos que estão fora da consciência quando estão sóbrios.

Este aspecto é frequentemente negligenciado nos programas de tratamento: na sua luta para estarem sóbrios os toxicodependentes não só sentem falta de estarem “pedrados”, como também da forma como a substância facilita que partes despojadas do “eu” se possam exprimir.

 

O que são Partes Despojadas do Eu?

À medida que a nossa identidade se desenvolve, tendemos a sentir-nos mais confortáveis na expressão de certas partes de nós próprios-emoções e menos confortáveis com outras.

Na nossa cultura a expressão da agressividade é favorecida aos homens; já a vulnerabilidade não é muito bem vista.

Isto não significa que os homens não se sintam vulneráveis, mas não tomam muita consciência disso.

Uma pessoa criada numa família em que a agressividade não é bem aceite pode ter a tendência de negar sentimentos de zanga e de raiva, e comportar-se como se nada a atingisse.

O que acontece aos sentimentos que estamos relutantes em reconhecer?

Bem, eles não desaparecem simplesmente; ficam fora da consciência e muitas vezes não sabemos que eles continuam lá. Estas são as partes despojadas do Eu.

 

Estar sobre o efeito de drogas permite a expressão das partes despojadas do Eu

As drogas e o álcool podem libertar as nossas inibições, permitindo-nos expressar partes de nós próprios; sentimentos que normalmente escondemos.

 

Estar sobre o efeito de drogas facilita a expressão de sentimentos

 

Pense no cliché do homem macho que depois de uma “noite de copos” fica com os olhos em lágrimas, abraça o seu melhor amigo e diz-lhe o quanto gosta dele.

Neste cenário, a bebida permite a expressão de sentimentos que normalmente residem fora da consciência.

A pesquisa sobre o uso médico de várias drogas como a Ketamina, o LSD e o MDMA procura saber como estas drogas permitem o acesso a partes da personalidade que, de outra forma, estariam “sequestradas”.

Quando estes medicamentos são administrados num contexto terapêutico, ajudam as pessoas a compreender e a integrar partes do seu Eu que, de outra forma, seriam despojadas.

 

Beatriz

Beatriz é uma médica de sucesso que dedica muitas horas a tratar os seus pacientes.

Em casa, é a “pessoa de referência” para a sua família alargada; sempre que os seus familiares têm alguma dificuldade é a ela que recorrem para obter conselhos.

Quando está sóbria, Beatriz orgulha-se do seu importante papel na família, embora deseje secretamente ficar sozinha a ler um bom livro.

Quando bebe, Beatriz já não tem de assumir o papel da “forte”. À noite costuma ligar aos amigos e fica ao telefone com eles durante horas.

Diz-lhes como se sente sozinha e que não há ninguém que se preocupe e olhe por ela.

Quando está embriagada, Beatriz é capaz de expressar o seu anseio e desejo de ser cuidada.

Quando bebe consegue chorar por sentir-se sozinha, e pode sentir pena de ter crescido numa família onde era a mais velha de seis irmãos, e onde a mãe não chegava para todos.

 

O consumo de substâncias pode libertar as nossas inibições, permitindo-nos expressar partes de nós próprios

 

Sóbria, ela não tem acesso a esses sentimentos. Quando dizem a Beatriz sobre o que se conversou quando estava bêbeda, ela não se lembra.

 

Miguel

Miguel é um profissional de sucesso a trabalhar numa das empresas mais competitivas do seu ramo.

Ele está numa relação de “começa-acaba” com a sua namorada Joana.

Quando Miguel está sóbrio expressa com frequência o seu amor por Joana.

Embora esteja consciente da sua insatisfação em relação à entrega emocional da namorada, ele não se queixa.

Devido ao medo de ser abandonado, evita começar uma discussão.

A discórdia na casa dos pais de Miguel acabou por levar à dissolução do casamento.

Quando Miguel está sobre o efeito de uma combinação de álcool e marijuana, consegue facilmente expressar o seu descontentamento com a relação.

De volta ao medo de perder a Joana, ele desconsidera as partes zangadas e insatisfeitas de si mesmo.

Ele é incapaz de expressar as suas legítimas preocupações quando está sóbrio, uma altura em que seria mais capaz de ter uma discussão construtiva.

 

Para onde vamos a partir daqui

Apesar das repetidas tentativas de parar de consumir, Beatriz e Miguel caem frequentemente no mesmo.

Na terapia tentam “aprender” a tolerar sentimentos desconfortáveis.

Em vez de rejeitarem estas partes de si mesmos como sendo apenas “confusas”, têm de perceber que os seus sentimentos são legítimos – de facto, são aspectos muito importantes de quem eles são.

Se conseguirem encontrar uma forma de expressar as partes escondidas e despojadas de si próprios quando estão sóbrios, poderão mais facilmente sustentar a sobriedade.

 

Traduzido/adaptado por Pedro Martins

A partir de: Why Drugs and Alcohol Can Be So Hard to Quit – David Braucher

Elogio – melhor que receber só mesmo merecer

Elogio – melhor que receber só mesmo merecer

Há coisas onde as crianças não diferem muito dos adultos: a satisfação de receber um elogio. Em ambos os casos o elogio pode não ser merecido, mas no que diz respeito aos filhos, os pais têm sempre um elogio “gratuito” para um poema horrível, para uma performance musical de arrepiar ou para um golo a 20 metros da baliza.

Confiança -, dizem. – É preciso que ganhem auto-confiança para triunfarem na vida. Será que o elogio incondicional gera confiança ou dependência?

As crianças e os jovens gostam de sonhar com conquistas mirabolantes e aplausos intermináveis. No entanto, fazem-no muito mais pelo prazer do devaneio do que pelo desejo real de concretização. Por seu lado, os pais, investem (por vezes na pior acepção da palavra) de corpo e alma nos sonhos dos filhos (ou seus) exponenciando os seus dotes de forma desmesurada.

Os pais estão convencidos que para os filhos triunfarem precisam confiar cegamente nas suas qualidades, esquecendo que sem esforço nada se consegue. Assim, mesmo sem se justificarem, os pais desfazem-se em aplausos.

O problema é que os elogios incondicionais em vez de produzirem auto-confiança provocam dependência: os filhos ficam dependentes da aprovação dos pais e, mais tarde, dos outros. Escravos desta situação, invertem as prioridades: em vez de se esforçarem na concretização dos seus desejos, buscam os elogios.

Hoje, os filhos são o centro da vida de muitos pais e, ainda que encontremos aí um enorme altruísmo, na verdade, está também um grande vazio, que os pais procuram preencher através dos filhos. Isto acaba por gerar uma  dependência desigual: os filhos tornam-se importantes para os pais e os pais indispensáveis para os filhos. Cada passo que o filho dá tem que ser antecedido de um sms de autorização/aprovação.

A visão actual sobre as crianças é muito diferente e, como normalmente acontece, para as compensar de todo o mal que lhes provocámos, passa-se para o outro extremo: endeusamento. Talvez as coisas não sejam assim tão simples e esse endeusamento tenha um preço elevado e, já lhes esteja a ser cobrado.

As crianças são o futuro, é incontestável. Não quererá isso também dizer que lhes colocamos a responsabilidade de compensarem as nossas falhas e fracassos? Não andaremos à procura de um orgulho retroactivo?

psicoterapeuta

Como ser emocionalmente Independente

Há uma condição determinante para alcançar a independência: uma boa dependência.

Só experienciando uma dependência segura/boa dependência na relação com o outro podemos interiorizar um sentimento de segurança, condição necessária à independência.

Aqueles que necessitam certificar a sua independência perante o outro, são os que estão presos numa dependência má.

Uma vez que não conseguiram/não lhes foi permitido separar-se/autonomizar-se, o “outro” representa uma espécie de ameaça; algo do qual é necessário manter distância para não se sentir dependente.

Se a minha fome nunca é saciada fico eternamente preso à fonte de alimento.

Mas se eu for devidamente alimentado terei energia suficiente para ir buscar alimento a outra fonte.

Em termos de relacionamentos poderíamos dizer que obtendo alimento afectivo suficiente junto dos pais/cuidadores – relação primária -, terei energia para procurar alimento afectivo junto de uma parceira – relação adulta.

Muitas psicoterapias são interrompidas porque os pacientes começam a sentir-se dependentes.

Em primeiro lugar porque têm experiências de má dependência, e, em segundo lugar, porque a terapia ainda não lhes permitiu diferenciar a boa da má dependência.

Se o terapeuta não conseguir compreender os medos do paciente e traze-los para as sessões o sentimento de dependência vai aumentando e só começo a diminuir quando a psicoterapia é interrompida.

Para além disso, quando o psicoterapeuta sente que o paciente quer terminar precocemente a terapia tem tendência a desenvolver certos movimentos em direcção ao paciente, fazendo com que este se sinta ainda mais preso.

As relações saudáveis não causam dependência. Elas proporcionam o espaço para experienciarmos estados de dependência quando precisamos de mais alimento afectivo, e como consequência lógica, a energia necessária para recomeçar.

Um entristecido adeus à infância. Pedro Martins Psicoterapeuta - Psicoterapia

Um Entristecido Adeus à Infância

Crescer é abdicar dos sonhos de infância e aceitar o nosso passado com todas as imperfeições que possa ter tido. É viver entre um entristecido adeus à infância – ou seja, a si mesmo e aos objectos do passado – e à superação gradual, ansiosa e esperançada, de muitas barreiras até à entrada no desconhecido mundo da vida adulta.

 

Na adolescência dá-se um corte com as ligações da infância e com a dependência dos pais.

 

O jovem estabelece novos vínculos e adquire capacidade para novas experiências afectivas e sexuais. Desidealiza as figuras parentais e procura novos modelos exteriores.

Na adolescência – onde se vivenciam estados afectivos de luto e paixão – dá-se um corte com as ligações da infância e com a dependência dos pais.

Para além da mudança de objecto de amor, há também mudança de objectivos.

Os interesses deixam de ser quase exclusivamente narcísicos (característicos da infância) para passarem a ser sociais.

O desejo de parar o tempo, a mudança, pode ser considerada uma excepção, que se deve, essencialmente, a uma incapacidade de enfrentar o novo.

No desenvolvimento normal, em contraposição à tendência de manutenção do estado original de fusão, há um impulso à diferenciação e individuação que visa a aquisição e estabelecimento da identidade.

Impossibilitado da fazer a “passagem”, o jovem em desenvolvimento fica amarrado às coisas conhecidas e controláveis (próprias do universo infantil) que produzem um sentimento de segurança.

 

No desenvolvimento normal prevalece a expectativa de uma independência com realizações pessoais e prazeres por satisfazer.

 

Aqueles que não podem desfrutar das coisas transitórias da vida (como acontece na evolução), perder umas para se ganhar outras, são os que na sua história pessoal sentiram as mudanças de forma catastrófica, ao ponto de predominarem os sentimentos de angústia e vivências de perda.

Perante o choque entre forças progressivas e regressivas prevalece a expectativa de uma independência com realizações pessoais e prazeres por satisfazer ao abrigo de uma genitalidade crescente e desejante como impulso para a independência e liberdade.

O desejo que a criança tem de ocupar o lugar do adulto (o lugar entre os adultos) pode finalmente ser realizado, elaborando os sentimentos de perda e deixando-se capturar e fascinar pelos encantos do novo.

Realismo Romântico - Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

“Realismo Romântico”

“Realismo romântico” – Sete regras para evitar uma separação   Esperamos que o amor seja a fonte …

Porque as pessoas são más. Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Por que é que as pessoas são más?

Por que é que as pessoas são más? Maldade – origem e reprodução Algumas crianças não são muito simpáticas para …

Por que é tão difícil parar de consumir álcool e drogas Pedro Martins Psicoterapeuta Psicólogo Clínico

Por que é tão difícil parar de consumir álcool e drogas?

Estar sobre o efeito de drogas pode permitir o aparecimento de partes de si que estão escondidas.   Os programas de …