Doença Psicossomática

Sempre que o sofrimento psíquico não é suficientemente expresso a nível afectivo e ideativo – por emoções e pensamentos -, comunicado em palavras e gestos e descarregado em actos, a saúde física periga e o caminho para a doença psicossomática está aberto.

Esse sofrimento psíquico pode ser o mais diverso: a dor, o medo, a vergonha, a culpa ou o ressentimento.

São porém, a ansiedade, a depressão e o ressentimento os afectos que mais desgaste provocam no organismo.

A ansiedade persistente e flutuante e os ataques de pânico são sobejamente conhecidos como perturbadores do normal funcionamento orgânico.

O medo desencadeia agressividade e o próprio medo bloqueia a sua expressão comportamental, e assim forma-se um foco irritativo intramuros, um sistema implosivo.

As séries de pequenas implosões que se verificam de forma quase ininterrupta podem explicar algumas lesões de natureza psicossomática.

O afecto desligado da representação da experiência vivida, difunde-se pelo psíquico e pelo somático – colorindo o humor e perturbando o funcionamento do organismo – ou acumula-se me bolsas de contenção, que drenam para o exterior (em explosões emocionais e através do comportamento) ou para o interior, sobre o soma e causando a disfunção/lesão orgânica.

Patologia Narcísica - Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

Patologia Narcísica

Quando a mãe não é suficientemente boa, não ocorre a idealização do Eu, comprometendo ou impedindo a formação de …

O desejo de agradar quando conhecemos alguém - Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

O desejo de agradar

Quando conhecemos alguém por quem nos sentimos atraídos temos o forte desejo de agradar. E, com naturalidade, assumimos …

Déjà Vu - Pedro Martins Psicólogo Clínico Psicoterapeuta

Déjà Vu

Já vos sucedeu terem um “déjà vu”? É aquela sensação obscura duma situação já conhecida. Estamos num …